A agricultura familiar no contexto do agronegócio no município de Canguçu, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil

Jussara Mantelli, Éder Jardel da Silva Dutra, Queli Rejane Silva Konzgen

Resumo


O artigo trata da dicotomia entre agricultura familiar e agronegócio, mostrando a realidade do espaço agrário do município de Canguçu/RS. Para alcançar o entendimento desta questão foram analisados dados secundários e feitas observações diretas no campo, demonstrando que a presença do agronegócio se mescla com a diversificada produção orgânica em bases produtivas diferenciadas. Neste contexto, destacam-se as perspectivas e nuances da agricultura no que tange aos principais produtos agrícolas como o tabaco e a soja, que atingem a maior expressão em área no município, sem desconsiderar a produção orgânica que vem adquirindo importância não só na produção e comercialização, mas nas formas de organização dos produtores em associações.


Palavras-chave


Agricultura familiar; Agronegócio; Modernização agrícola; Município de Canguçu/RS

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo: Edusp, 2007.

ALVES, A. F. Et al. Impactos da agroindústria integradora na agricultura familiar do sudoeste do Paraná. In: ALVES, A. F; FLÁVIO, L. C; SANTOS, R. A. Espaço e território: interpretações e perspectivas do desenvolvimento. Francisco Beltrão: Unioeste, 2005, p. 141-167.

ALMEIDA, J. A. A construção social de uma nova agricultura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

ALMEIDA, M. W. B. Redescobrindo a família rural. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), n.1, v. 11, jun. 1986, p. 66-82.

AMIM, S; VERGOPOULOS, K. A questão agrária e o capitalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

APOLINÁRIO, F. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

CANGUÇU ONLINE. Arpa-Sul comemora 20 anos de Feira Agroecológica. Disponível em: . Acesso em: 15 Nov. 2018.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1995.

CLEPS JUNIOR, J. Questão agrária, Estado e territórios em disputa. In: Marcos, A. S; Santos, R. A. Geografia agrária, território e desenvolvimento. São Paulo: Expressão Popular, 2010, p. 35-54.

CORADINI, O. L; FREDERICQ, A. Agricultura, cooperativas e multinacionais. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e Pós- modernismo. São Paulo: Nobel, 1995.

FELICIANO, C. A. Movimento camponês rebelde: a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

FERNANDES, B. M; WELCH, C. A. Campesinato e agronegócio da laranja nos EUA e Brasil. In: FERNANDES, B. M. Campesinato e agronegócio na América Latina: a questão agrária atual. São Paulo: Expressão Popular, 2008, p. 45-70.

FLACH, L. M. A integração de aves no município de Francisco Beltrão e a questão tecnológica. Geografia Econômica, n° 4, Florianópolis, Julho de 2012, p. 249- 267.

FONTOURA, L. F. M. A relação cidade campo. In: Medeiros, R. M. V; Falcade, I. Tradição versus tecnologia: as novas territorialidades do espaço agrário brasileiro. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009, p. 269-284.

GONÇALVES, J. S. Agronegócios: desenvolvimento e territorialidades em economias continentais. Geografia Econômica, n° 4, Florianópolis, Julho de 2012, p. 57- 68.

HEYNIG, K. Principales enfoques sobre la economia campesina. Revista de la Cepal, Abril 1982, p. 117-142.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA). Estrutura Fundiária (2012). Disponível em:< http://www.incra.gov.br>. Acesso em: 20 Jan. 2018.

KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Proposta Editorial, 1980.

LÊNIN, V. I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia: o processo de formação do mercado interno para a grande indústria. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

LÓPEZ, M. La función social de la propriedade y la quimera de los agronegocios en Guatemala-Una posibilidad en el corazón de la globalización neoliberal. In: FERNANDES, B. M. Campesinato e agronegócio na América Latina: a questão agrária atual. São Paulo: Expressão Popular, 2008, p. 107-138.

MALDONADO, G; ALMEIDA, M. C; PICCIANI, A. L. Divisão territorial do trabalho e agronegócio: o papel das metrópoles nacionais e a constituição das cidades do agronegócio. In: Bernardes, J. A. Globalização do agronegócio e Land Grabbing: a atuação das megaempresas argentinas no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2017, p. 81-96.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis: Vozes, 1981.

MAZOYER, M; ROUDART, L. Histórias das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora da Unesp, Brasília: NEAD, 2010.

MULLER, G. complexo agroindustrial e modernização agrária. São Paulo: HUCITEC, EDUC, 1989.

OLIVEIRA, A. U. Modo capitalista de produção e agricultura. São Paulo: Ática, 1986.

PALUDO, C. et al. A via campesina e o desenvolvimento do campo. In: Paludo, C; THIES, V. F. Desenvolvimento do campo em construção. Ijuí, Ronda Alta: Editora da Unijuí, Fundep, 2008, p. 13-46.

PETER, D. S. Agroecologia como prática de organização social na agricultura familiar: o caso do grupo agroecológico do Remanso – Canguçu (RS). Trabalho de Conclusão de Curso – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

RESENDE, P. E. A. A federação como alternativa democrática nas relações entre as nações. In: DOWBOR, L; IANNI, O; RESENDE, P. E. A. Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1997, p. 28-42.

RODRIGUES, R. M. Pesquisa acadêmica: como facilitar o processo de preparação de suas etapas. São Paulo: Atlas, 2007.

SACCO DOS ANJOS, F; CALDAS, N. V. A horta agonizante: mercantilização da agricultura e transformações nas práticas de autoconsumo entre famílias rurais do extremo sul gaúcho. Revista Pensamento Plural, v. 5, p. 151-169, jul/dez, 2009.

SCHNEIDER, S. et al. Histórico, caracterização e dinâmica recente do Pronaf- Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. In: SCHNEIDER, S; SILVA, M. K; MARQUES, P. E. M. (Orgs). Políticas públicas e participação social no Brasil rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004, p. 21-50.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais (impresso), São Paulo. v. 18, n.151, p. 99-121, 2003.

SISTEMA IBGE DE RECUPERAÇÃO AUTOMÁTICA (SIDRA). Produção Agrícola Municipal. Disponível em:. Acesso em: 23 Nov. 2018.

SILVA, J. G. Tecnologia e agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1999.

SINDICATO INTERESTADUAL DA INDÚSTRIA DO TABACO (SINDITABACO). Disponível em: . Acesso em: 12 Nov. 2018.

SUZUKI, J. C. Modernização, território e relação campo-cidade: uma outra leitura da modernização da agricultura. In: Medeiros, R. M. V; FALCADE, I. (Orgs.). Tradição versus tecnologia: as novas territorialidades do espaço agrário brasileiro. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009, p. 241-253.

UNAIC, União das Associações Comunitárias do Interior de Canguçu. Quem somos. Disponível em: . Acesso em: 25 Out. 2018.

WANDERLEY, M. N. B. Raízes do campesinato. In: TEDESCO, J. C. Agricultura familiar: Realidades e perspectivas. Passo Fundo: EDUPF, 1999, p. 23-56.




DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v34n71p500

Geosul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. eISSN 2177-5230

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.