O princípio geográfico de conexão frente à “universalização do ensino básico” no Brasil – o caso transamazônico (no estado do Pará)

Autores

  • Wallace Wagner Rodrigues Pantoja Professor da SEDUC-PA; Doutorando em Geografia (UNB)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2015v30n60p165

Palavras-chave:

Conexidade/conexão, Projeto de Nação, Educação do Campo, Countryside Education, Project National, Transamazônica

Resumo

O artigo discute o processo de universalização do ensino no território nacional, a partir de uma espacialidade específica – os lugares à beira da Transamazônica. Há necessidade de questionar o alcance e efetividade da expansão do acesso à educação básica, dada como “praticamente conquistada” no país – partimos do princípio geográfico de conexidade/conexão, para problematizar tal universalização educativa. Objetivamos refletir sobre o alcance da educação básica, suas condições e sua capacidade de potencializar ou não a diversidade do território. Metodologicamente, ancorados em um diálogo entre fenomenologia e existencialismo, realizamos uma revisão teórica a partir do confronto com os dados empíricos preliminares da pesquisa. Concluímos que a universalização da educação se configura como argumento de extermínio, que efetiva uma visão urbanocêntrica e, pela conexidade entre os lugares e o território, produz a desconexão dos próprios lugares, retirando sua capacidade de ação comunicativa, o que fragiliza a educação não apenas ao nível local, mas regional e nacional.

Biografia do Autor

Wallace Wagner Rodrigues Pantoja, Professor da SEDUC-PA; Doutorando em Geografia (UNB)

Graduação e Mestrado em Geografia (UFPA), Doutorando em Geografia (UNB), professor do estado do Pará, Bolsita Orientador e Formador II pelo IFPA e UFOPA; Professor Supervisor da UAB-UNB, disciplina Cartografia e Ensino. Diretor de Documentário e curtas-metragens.

Downloads

Publicado

2015-12-23

Edição

Seção

Artigos