Desafios e possibilidades estratégicas para uma política de redução de risco de desastres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p326

Palavras-chave:

Governança, Resiliência, Políticas Públicas, Gestão pública, Extensão Acadêmica

Resumo

A adoção de políticas para a redução de risco de desastres encontra entraves que limitam suas aplicações. A análise de episódios emblemáticos e dos marcos referenciais e normativos dessas políticas no Brasil serviu como ponto de partida para um diagnóstico dessa condição. O objetivo dessa pesquisa foi mostrar, por meio de pesquisa documental e bibliográfica, como a adoção de políticas para a redução de risco de desastres encontra obstáculos que dificultam e limitam a sua aplicação. O presente estudo revelou três fatores: 1) governança baseada em assimetrias de poder, 2) insuficiência de integração entre políticas públicas nas diferentes escalas de gestão e 3) baixa articulação entre as políticas estatais e os conhecimentos acadêmicos.

 

Biografia do Autor

Antonio Celso de Oliveira Goulart, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor na Universidade Federal do Espírito Santo, Laboratório de Gestão de Redução de Risco de Desastres (LabGR2D), Departamento de Geografia. Possui graduação em Geografia pela Universidade de São Paulo (1993), mestrado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (1999), doutorado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (2005) e pós doutorado pela Universidade de Coimbra. Atua no Núcleo de Extensão e Pesquisas sobre Desastres (CEPEDES-UFES). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia, nos seguintes temas: análise integrada do relevo, diagnóstico ambiental, risco e cartografia geomorfológica.

Lúcio José Sobral da Cunha, Universidade de Coimbra

É geógrafo e doutor em Geografia Física. Professor Catedrático no Departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Investigador no Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT). Tem desenvolvido trabalhos na área da Geomorfologia (Geomorfologia Cárstica, Geomorfologia Fluvial e Patrimônio Geomorfológico), dos Estudos Ambientais (Recursos Naturais, Ambiente e Turismo, Riscos Naturais) e de Sistemas de Informação Geográfica aplicados ao Ordenamento do Território.

Ana Christina Wigneron Gimenes, Universidade Federal do Espírito Santo

É professora na Universidade Federal do Espírito Santo, Laboratório de Gestão de Redução de Risco de Desastres (LabGR2D) e Laboratório de Geografia Física (Departamento de Geografia). Atua em Ciência do Solo, com ênfase em gênese de solos, e em Geomorfologia. Geógrafa, possui mestrado em Geografia Física (Geomorfologia) pela USP e doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Referências

BERTONE, P., MARINHO, C. Gestão de riscos e resposta a desastres naturais: a visão do planejamento. VI Congresso Consad de Gestão Pública, Brasília, 2013, p. 2-24.

CARMO, R. L. DO; ANAZAWA, T. M. Mortalidade por desastres no Brasil: o que mostram os dados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 9, p. 3669–3681, set. 2014.

CEPED/UFSC. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2012. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 2. ed. rev. ampl. – Florianópolis: CEPED UFSC, 2013.

CEPED/UFSC. Relatório de danos materiais e prejuízos decorrentes de desastres naturais no Brasil: 1995-2014. p. 230, 2016.

CRED. Annual Disaster Statistical Review: The Numbers and Trends 2007. Center for Research on the Epidemiology of Disasters (CRED) Department of Public Health Université Catholique de Louvain. p.48, 2008.

CRED/UNISDR. The human cost of weather related disasters, 1995-2015. (CRED) Department of Public Health Université Catholique de Louvain/The United Nations Office for Disaster Risk Reduction. p.28, 2015.

CUNHA, L.; JACINTO, R. As novas Geografias dos países de língua portuguesa. Relato de uma experiência de investigação em rede sobre a Geografia lusófona. In Cunha, L. e Jacinto, R. – Paisagens e dinâmicas territoriais em Portugal e no Brasil. As novas Geografias dos países de língua portuguesa. Iberografias, CEI, Guarda, 26, 2014, p. 7-13.

FREITAS, C. M.; SILVA, D. R. X.; SENA, A. R. M.; SILVA, E. L.; SALES, L. B. F.; CARVALHO, M. L.; MAZOTO, M. L.; BARCELLOS, C.; COSTA, A. M.; OLIVEIRA, M. L. C.; CORVALÁN, C. Desastres naturais e saúde: uma análise da situação do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva (Impresso) , v. 19, p. 3645-3656, 2014.

FREITAS, C. M.; SILVA, M. A.; MENEZES, F. C. O desastre na barragem de mineração da Samarco: fratura exposta dos limites do Brasil na redução de risco de desastres. Ciência e Cultura, v. 68, p. 25-30, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Arranjos populacionais e concentrações urbanas no Brasil. IBGE, Coordenação de Geografia. - 2. ed. - Rio de Janeiro, 2016. e-Book.

LAVELL, A. Prefácio. In: Reduction of vulnerability to disasters: from knowledge to action / MARCHEZINI, V.; WISNER, B.; LONDE, L. R.; SAITO, S. M. (orgs.). São Carlos. RiMa Editora, 624 p. 2017.

MARANDOLA JÚNIOR, E.; HOGAN, D. J. O risco em perspectiva: tendências e abordagens. Geosul, Florianópolis, v. 19, n. 38, p 25-58, jul./dez. 2004.

MARGOTO, J. B. Fenômenos de comunicação e mediação da informação em uma rede social de resposta a um desastre natural: o caso das chuvas de 2013 no Estado do Espírito Santo. 284 p. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

RAMOS, H. E. A.; SILVA, B. F. P.; BRITO, T. T. ; SILVA, J. G. F.; PANTOJA, P. H. B.; MAIA, I. F.; THOMAZ, L. B. A estiagem no ano hidrológico 2014-2015 no Espírito Santo. Incaper em Revista v. 6 e 7, N. 4, Janeiro de 2015 a dezembro de 2016. Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão. Disponível em https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/item/2538/1/BRT-incaperemrevista-2016.pdf

SANTOS, M. Metamorfose do espaço habitado. Fundamentos teórico e metodológico da geografia. Hucitec. São Paulo 1988.

SANTOS, P.; TAVARES, A.; CUNHA, L.; MENDES, J. M.; LEAL, C. C. Governação (ou planeamento da emergência) à escala municipal: um caso de estudo no concelho de Alvaiázere. In SOARES, C. G., TEIXEIRA, A. P e JACINTO C. – Riscos, Segurança e Sustentabilidade. Lisboa, pp. 221-235. 2012.

SORIANO, E. Os desastres naturais, a cultura de segurança e a gestão de desastres no Brasil. Anais do Seminário Internacional de Defesa Civil, São Paulo, SP, Brasil, 5, 2009.

UNISDR. Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015-2030. Genebra: ONU, 2015. 25p.

UNISDR. Terminología sobre Reducción del Riesgo de Desastres. Geneva, UNISDR 2009. Disponível em: http://www.unisdr.org/files/7817_UNISDRTerminology Spanish.pdf.

UNISDR. Yokohama Strategy and Plan of Action for a Safer World: Guidelines for Natural Disaster, Prevention, Preparedeness and Mitigation. 1994. Disponível em: http://www.unisdr.org/we/inform/publications/8241.

UNISDR. (Org.). International Decade for Natural Disaster Reduction: successor Arrangements. General Assembly. Geneva. 2000. Disponível em: http://www.unisdr.org/files/resolutions/N0027175.pdf.

VALÊNCIO, N.; SIENA, M.; MARCHEZINI, V.; GONÇALVES, J. C. (org.) Sociologia dos desastres: construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos : RiMa Editora, 280 p. 2009.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos