Intensidade ecológica do bem-estar no Brasil: uma abordagem regional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p189

Palavras-chave:

Intensidade ecológica do bem-estar humano, Crescimento econômico, Sustentabilidade

Resumo

A literatura moderna sobre a relação entre atividade humana e pressão ambiental tem crescido. Uma das abordagens recentes é relacionar o crescimento econômico com a intensidade ecológica do bem-estar humano (EIWB), que é medida através da razão de uma variável de pressão ambiental e uma variável de bem-estar humano. O presente artigo investiga os efeitos do crescimento econômico sobre a EIWB no Brasil e suas grandes regiões entre 2002 e 2014. Para isso, utilizou-se o modelo de regressão time-series cross-section (TSCS) Prais-Winsten. Os resultados apontam que o crescimento econômico está associado ao aumento da intensidade ecológica do bem-estar para o Brasil como um todo para o período analisado. Quando observados os resultados para as regiões, identifica-se que as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste replicam este efeito. As regiões Sul e Sudeste não confirmam tal resultado.

Biografia do Autor

Ely José de Mattos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Curso de Economia.

Professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da PUCRS.

Camila Horst Toigo, Doutora em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Doutora em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da PUCRS.

Osmar Tomaz de Souza, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Curso de Economia.

Professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da PUCRS

Referências

ARRAES, Ronaldo A., DINIZ, Marcelo B., DINIZ, Márcia J. Curva ambiental de Kuznets e desenvolvimento econômico sustentável. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 44, n. 03, p. 525-547, 2006.

BECK, Nathaniel. KATZ, Jonathan. What to do (and not to do) with Time-Series Cross-Section Data. The American Political Science Review, v. 89, n. 3, 1999, pp. 634-647.

CARVALHO, Terciane S.; ALMEIDA, Eduardo. A hipótese da curva de Kuznets ambiental global: uma perspectiva econométrico-espacial. São Paulo: Estudos Econômicos, v. 40, n. 03, 2010, p. 587-615.

DALY, Herman. A economia do século XXI. Porto Alegre: Mercado Aberto. 1984. 120 p.

DALY, Herman, FARLEY, Joshua. Economia Ecológica: princípios e aplicações. Intituto Piaget, 2004.

DIETZ, Thomas., ROSA, Eugene A. Rethinking the environmental impacts of population, affluence and technology. Human Ecology Review, 1994, p. 277-300.

DIETZ, Thomas., ROSA, Eugene. A. YORK, Richard. Environmentally efficient well-being: Is there a Kuznets curve? Applied Geography, v. 32, 2012.

DINDA, S. Environmental Kuznets curve hypothesis: a survey. Ecological economics, Elsevier, v. 49, n. 4, p. 431–455, 2004.

FAN, Ying, LIU, Lan-Cui, WU, Gang, WEI, Ying-Ming. Analysing impact factors of CO2 emissions using the STIRPAT model. Environmental Impact Assessment Review, v. 26, n. 04, 2006, p. 377– 395.

FOLADORI, Guillermo. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Editora UNICAMP, São Paulo: Imprensa Oficial, 2001.

GROSSMAN, Gene M.; KRUEGER, Alan B. Environmental impacts of North American free trade agreement. Cambridge: National Bureau of Economic Research, Working Paper, n. 3914, 1991.

GRUNEWALD, N. KLASEN, Stepehen, MARTINEZ-ZARZOSO, Inmaculada, MURIS, Chris. The trade-off between income inequality and carbon dioxide emissions. Ecological Economics, Elsevier, v. 142, p. 249–256, 2017.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change. Climate Change 2014: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Core Writing Team, R.K. Pachauri and L.A. Meyer (eds.)]. IPCC, Geneva, 2007, 151 pp.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Educação, desigualdade e redução da pobreza no Brasil. Texto para Discussão, nº 2447, 2019.

JACKSON, Tim. Prosperity Without Growth. Sustainable Development Commission, United Kingdom, Macmillan, 2009, 275 p.

JORGENSON, Andrew. DIETZ, Thomas. Economic growth does not reduce the ecological intensity of human well-being. Sustainability Science, v. 10, n.1, 2015, p. 149–156.

JORGENSON, Andrew. Economic development and the carbon intensity of human well-being. Nature Climate Change, v. 04, n. 03, 2014, p. 186-189.

JORGENSON, Andrew. GIVENS, Jennifer. The Changing Effect of Economic Development on the Consumption-Based Carbon Intensity of Well-Being, 1990–2008. PLoS ONE, v. 10, n. 5, 2015.

KNIGHT. Kyle W. Temporal variation in the relationship between environmental demands and well-being: a panel analysis of developed and less-developed countries. Population and Environment, v. 36, n. 1, 2014, p 32–47.

MATTOS, Ely J. FILIPPI, Eduardo E. Drivers of environmental impact: A proposal for nonlinear scenario designing. Environmental Modelling & Software, v. 62, 2014, p. 22-32.

MEADOWS, Donela H., MEADOWS, Dennis L., RANERS, Jorgen, BEHRENS, Williams W. The Limits to growth. New York: Universe Books, 1972.

MA - MILLENIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystem and human well-being: a framework for assessment. World Resource Institute, Washington D.C.: Island Press, 2003.

MA - MILLENIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and Human Well-being: Synthesis. Island Press, Washington, DC, 2005.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. PLANOS DE AÇÃO PARA A PREVENÇÃO E O CONTROLE DO DESMATAMENTO. Documento de base: contexto e análises. (versão preliminar aprovada pelo GPTI), 2016. Disponível em: http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80120/PPCDAm%20e%20PPCerrado%20-%20Encarte%20Principal%20-%20GPTI%20_%20p%20site.pdf. Último acesso em: 27/04/2019.

PARRIS, Thomas. M. KATES, Robert W. Characterizing and measuring sustainable development. Annual Review of Environment and Resources, v. 28, 2003, p. 559-586.

RAVALLION, Martin; et al. (2000). Carbon emissions and income inequality. Oxford Economic Papers, v. 52, p. 651-669.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Globalização e Meio Ambiente. Campinas: IE/UNICAMP, Texto para Discussão n. 19, nov. 1999.

SEEG – SISTEMA DE ESTIMATIVA DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Emissões de GEE no Brasil e suas implicações para políticas públicas e a contribuição brasileira para o Acordo de Paris. Documento de Análise 2018. 2018.

SEN, Amarty K. Desigualdade Reexaminda. Rio de Janeiro: Record, 2001.

STEINBERGER, Julia K., ROBERTS, J. Timmons, PETERS, Glen P., BAIOCCHI, Giovanni. Pathways of human development and carbon emissions embodied in trade. Nature Climate Change, v. 02, n. 2, 2012.

UNDP - UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME. Human Development Report 1990. New York: Oxford University Press, 1990.

TEEB - THE ECONOMICS OF ECOSYSTEMS AND BIODIVERSITY. A economia dos ecossistemas e da biodiversidade: integrando a economia da natureza. Uma síntese da abordagem, conclusões e recomendações do TEEB. PNUMA, 2010.

WACKERNAGEL, Mathis; REES, Williams E. (1996). Our ecological footprint, reducing human impact on the earth. Philadelphia: New Society Publishers, 1996.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos