Fim da proteção do comércio bilateral brasileiro no setor têxtil e de confecções

Autores

  • Thiago Fellipe Lima Silva Pereira Universidade Federal de PernambucoEstudante do Programa de Pós-Graduação em Economia - PPGECON (Mestrado)
  • Monaliza de Oliveira Ferreira Universidade Federal de Pernambuco/Campus do Agreste/Docente https://orcid.org/0000-0003-2748-8096

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e70901

Palavras-chave:

Mundo globalizado, Comércio internacional, Competitividade do Brasil, Setor têxtil e de confecção, Modelo gravitacional

Resumo

Este artigo teve como objetivo analisar os efeitos do fim da proteção comercial internacional do setor (ATV) sobre o comércio bilateral do Brasil com seus parceiros importadores no período de 1997-2017.  Para este fim foi utilizado o modelo gravitacional. Este estudo mostra que, mesmo com a falta de competitividade do Brasil no setor têxtil e de confecções, o fim do acordo sobre têxteis e vestuário (ATV) impactou positivamente o fluxo de comércio do país com seus parceiros comerciais. Conclui-se que o conhecimento das vantagens de um ambiente de comércio amplamente competitivo é vital para se avaliar políticas para melhor inserção do setor têxtil e de confecções no comércio internacional.

Biografia do Autor

Thiago Fellipe Lima Silva Pereira, Universidade Federal de PernambucoEstudante do Programa de Pós-Graduação em Economia - PPGECON (Mestrado)

Estudante do Programa de Pós-Graduação em Economia - PPGECON (Mestrado) da Universidade Federal de Pernambuco

Monaliza de Oliveira Ferreira, Universidade Federal de Pernambuco/Campus do Agreste/Docente

Professora e Pesquiadora da Universidade Federal de Pernambuco, Campus do Agreste, Programa de Pós-Graudação em Economia - PPGECON.

Referências

ANDERSON, J. E. “A theoretical foundation for the gravity equation”. The American Economic Review, v. 69, n. 1, p. 106-116, 1979.

ANDERSON, J. E.; VAN WINCOOP, E.” Gravity with gravitas: a solution to the border puzzle”. American Economic Review, v.93, n.1. 2003.

AREVALO, J. L. S.; ANDRADE, A. M. F.; SILVA, G. A. B. “Uma Nota Sobre Modelos Gravitacionais Aplicados à Exportação de Café de Brasil, Colômbia e Peru”. Revista Brasileira de Economia, v. 70, n. 3, p. 271-280, 2016.

BALDWIN, R.; TAGLIONI, D. “Gravity for dummies and dummies for gravity equations”. National Bureau of Economic Research, 2006.

BEZERRA, F. D. “Análise retrospectiva e prospectiva do setor têxtil no Brasil e no Nordeste.” Informe Técnico do ETENE. Informe Macroeconomia, Indústria e Serviços, Fortaleza, Ano VIII, n. 2, 2014.

BONELLI, ; PINHEIRO, A. Competitividade e Desempenho Industrial: Além do Câmbio. FGV/IBRE (Texto para Discussão), 2012.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. “Microeconometrics using stata”. Revised Edition. College Station: Stata press, 2009.

CASTILHO, M.R. “O acesso das exportações do MERCOSUL ao mercado europeu”. Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 32, n. 1, p. 149‑198, 2002).

COSTA, A. B.; CONTE, N. C.; CONTE, V. C. “A China na cadeia têxtil – vestuário: impactos após a abertura do comércio brasileiro ao mercado mundial e do final dos Acordos Multifibras (AMV) e Têxtil Vestuário (ATV).” Revista Teoria e Evidência Econômica, 2013.

COSTA, L. V., et al. “Competitividade e Padrão de Especialização do Fluxo Industrial de Comércio Exterior do Paraná, 1996 a 2008.” Revista de Economia, vol.38, nº3, p.7-29, 2012.

COSTA, K. G. V. D. Fragmentação internacional da produção e sofisticação das exportações: uma análise a partir dos fluxos de comércio do Mercosul entre 1994 e 2012. In 42º Encontro Nacional de Economia – ANPEC, Anais..., Florianópolis, 2016.

DANTAS, M. P.; GALEANO, R. “IMPACTO DA RELAÇÃO BRASIL-CHINA NO SETOR DE CONFECÇÕES.” Revista de Administração do Sul do Pará (REASP)-FESAR 2 (2015).

FÁVERO, L. P. “Análise de dados: modelos de regressão com Excel®, Stata® e SPSS®”. Elsevier Brasil, 2016.

FEISTEL, P. R.; HIDALGO, Á. B. “A COMPETITIVIDADE DAS REGIÕES BRASILEIRAS NO INTERCÂMBIO COMERCIAL COM A CHINA.” 2012.

FIGUEIREDO, E. et al. “Uma análise para o efeito-fronteira no Brasil”. Revista Brasileira de Economia, v. 68, n. 4, p. 481-496, 2014.

GRÄF, C. O.; AZEVEDO, A. F. Z. “Comércio bilateral entre os países membros do mercosul: uma visão do bloco através do modelo gravitacional”. Economia Aplicada, v. 17, n. 1, p. 135-158, 2013.

GORINI, P. F. Panorama do setor têxtil no Brasil e no Mundo: reestruturação e perspectivas. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, 2000.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria Básica-5. 2011.

HIDALGO, Á. B.; MATA, F. P. G. D. Inserção das regiões brasileiras no comércio internacional: os casos da Região Nordeste e do Estado de Pernambuco. Ensaios FEE, Porto Alegre,v.26, n. 2, p. 79-108, 2008.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD M.” Economia Internacional”. 10. Pearson, 2015.

KUME, H. “As Tarifas aduaneiras no Brasil são excessivamente elevadas?”. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n° 56, 2018.

LEAMER, E. E; STERN, R. M. Quantitative international economics. Chicago: Allyn and Bacon, 1970.

MARQUES, L. et al. “Modelos dinâmicos com dados em painel: revisão de literatura”. Centro de estudos Macroeconómicos e Previsão, faculdade de Economia do Porto, 2000.

MAZZUCHETTI, R. N.; SHIKIDA, P. F. “O comércio internacional do açúcar sob a perspectiva do modelo gravitacional”. Revista de Ciências Agrárias, v. 40, n. 2, p. 210-220, 2017.

MENDES JÚNIOR, B. O. “Setor têxtil.” Caderno Setorial - ETENE, 2017.

MIRANDA, P. “Política tarifária de importações do Brasil em debate”. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n° 56, 2018.

MIRANDA, P.; CASTILHO, M. “Tarifa aduaneira como instrumento de política de desenvolvimento produtivo: contribuições para o debate recente no Brasil.”. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n° 56, 2018.

NASCIMENTO, F.; JÚNIOR, D. P. “A evolução do modelo gravitacional na economia”. Revista Saber Humano, Recanto Maestro, n. 3, p. 163-175, 2013.

NASSAR, A. M.” Trade Liberalization in Cotton and Sugar”. Agricultural Trade Liberalization and the Least Developed Countries, v. 19, p. 83, 2007.

PIANI, G.; KUME, H. “Fluxos bilaterais de comércio e blocos regionais: uma aplicação do modelo gravitacional”. 2000.

PRATES, R. C.; PEREIRA, H. P. “Análise dos fatores determinantes do comércio internacional brasileiro: uma análise do modelo gravitacional”. Reflexões Econômicas, v. 1, n. 1, p. 105-129, 2015.

REIS, M.; AZEVEDO, A. F. Z.; PÔRTO JÚNIOR, S. S. “IMPACTOS DA OMC SOBRE O COMÉRCIO DE PRODUTOS PRIMÁRIOS, TÊXTEIS E INDUSTRIAIS.” ANPEC- Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia. 2018.

REIS, J. D. “Análise do crescimento das exportações brasileiras de carne bovina entre 1990 e 2002: uma aplicação do modelo constant market share”. Ceres, vol.55, nº3, 2015.

RODRIK, D. “The real exchange rate and economic growth: Theory and evidence”. [Kennedy School of Government manuscript]. In Center for global development. (2007).

SANTOS, M. O.; SILVA, O. M.; ALMEIDA, F. M. “Uma análise das restrições comerciais no mercado internacional de algodão”. Revista de Estudos Sociais, v. 19, n. 38, p. 67-85, 2017.

SCHUCH, R. C.; UHR, D. A. P.; UHR, J. G. Z. “Comércio internacional brasileiro: evidências da crise econômica de 2008”. Perspectiva Econômica, v. 12, n. 2, p. 1-16, 2016.

SILVA, T. J. J. D.” DESEMPENHO EXPORTADOR DA MANGA E DA UVA BRASILEIRA NO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UMA ANÁLISE ENTRE O PERÍODO DE 2003 A 2013”. Dissertação – UFPE. Caruaru p.75, 2015.

SOUZA, M. J. P.; BURNQUIST, H. L. “Impactos da facilitação de comércio: evidências do modelo gravitacional”. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 49, n. 4, p. 909-940, 2011.

SUBRAMANIAN, A.; KESSLER, M. “The hyperglobalization of trade and its future”. 2013.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

YOTOV, Y. et al. “An Advanced Guide to Trade Policy Analysis: The Structural Gravity Model”. World Trade Organization, Geneva, 2016.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos