Fluxo comercial da celulose brasileira para o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS), 1990 a 2016

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e75424

Palavras-chave:

Intensidade do comércio, Orientação Regional, Bloco Econômico

Resumo

O presente trabalho analisou o fluxo de comércio do segmento brasileiro de celulose antes e depois da formação do BRICS. Para tanto, foram estimados os índices de Intensidade de Comércio (IIC), de Orientação regional das exportações (IOR), de Grubel e Lloyd (GL) e de Menon e Dixon. Os resultados indicaram que o padrão de comércio neste setor, se mostrou como interindustrial, houve aumento na intensidade de comércio entre os países-membros dos BRICS após sua formação e as relações comerciais apresentaram-se voltadas para o bloco.

Biografia do Autor

Letícia Soares Viana, Universidade Estadual de Santa Cruz

Mestre em economia regional e políticas públicas pela Universidade Estadual de Santa Cruz

Naisy Silva Soares, Universidade Estadual de Santa Cruz

Economista e doutora em economia florestal pela Universidade FEderal de Viçosa. Professora do departamento de ciências economicas da Universidade Estadual de Santa Cruz

Lyvia Julienne Sousa Rego, Universidade Federal do Sul da Bahia

Engenheira Florestal e doutora em ciência florestal pela Universidade Federal de Viçosa. Professora da Universidade Federal do Sul da Bahia

Referências

BAUMANN R. et al. BRICS: Estudos e Documentos. Brasília: FUNAG, 2015. p 22.

CALDAS RQS. Oferta de Exportação de Papel no Brasil e Contribuição do Segmento para o Desenvolvimento Regional. Ilhéus – BA, 2015.

CORREA PG, LOES A. Impactos Setoriais do MERCOSUL sobre a Indústria Brasileira: Uma Análise com Base no Padrão de Comércio. Anais do Congresso de Economia da ANPEC, Florianópolis – SC, pp. 313-332, 1994.

Cf. K. Anderson and H. Norheim, From Imperial to Regional Trade Preferences: Its Effects on Europe's Intra and Extra Regional Trade, Weltwirthschaftliches Archiv, vol 129, no. 1 (1993), pp. 78-101.

FAE BUSINESS. O mercado de papel e celulose. Revista FAE BUSINESS, n.1, nov. 2001.

FERNANDES, J. A. A Integração Econômica como Estratégia de Desenvolvimento do Continente Africano: Proposta de Fusão entre a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Econômica e Monetária da África Ocidental (UEMOA). Florianópolis – SC, 2007, p. 35.

FERREIRA, T. J. M. C. As Etapas do Processo de Integração Regional. 2009. Disponível em https://jus.com.br/artigos/12833/as-etapas-do-processo-de-integracao-regional/1. Acesso em 22 mar. 2018.

FIGUEIREDO, A. M.; SANTOS, M. L. Evolução das Vantagens Comparativas do Brasil no Comércio Mundial de Soja. Revista de Política Agrícola. Ano XIV - Nº 1 - Jan./Fev./Mar. 2005

Food and Agriculture Organization of the United States (FAO) (2017). Acesso em 12/10/2017. Disponível em: http://www.fao.org/home/en/.

Grupo Suzano. Papel e Celulose. Disponível em: http://www.suzano.com.br/.

GUIMARÃES CM. O Mercosul e o Desempenho do Comércio Intra-Indústria do Setor Brasileiro de Papel e Celulose. Viçosa - MG, 2007, p.12.

HAMILTON C, KNIEST P. “Trade Liberalisation, Structural Adjustment and Intra Industry Trade: A Note”.Weltwirtschaftliches Archiv, vol. 12, 1991. p. 356- 367.

HIDALGO, A. B. Intercâmbio comercial brasileiro intra-indústria: uma análise entre indústrias e entre países. Revista Brasileira de Economia, v.1, n.2, p.243-264, abr./jun. 1993.

HOFFMANN SA. New World and its Troubles. Foreign Affairs, vol. 69, n 4, 1990, p.115-122.

Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ). Celulose. Disponível em: http://iba.org/pt/produtos/celulose.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Conheça o BRICS. 2007. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/forumbrics/pt-BR/conheca-os-brics.html.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). União Aduaneira. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=2130:catid=28&Itemid=23.

ISTAKE, M. Comércio Externo e Interno do Brasil e das suas Macrorregiões: um teste do teorema de Heckscher-Ohlin. Piracicaba, SP: ESALQ, 2003. Tese (Doutorado) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba.

Itamaraty. BRICS – Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/sobre-o-brics/informacao-sobre-o-brics.

MENON J, DIXON PB. Measures of Intra-industry trade as indicators of Factor Market Disruption. Center of Policy Studies and the Impact Project. General Paper. n. G- 113, p.2-5, abr-1995.

Ministério das Relações Exteriores (MRE). BRICS: Comércio Exterior. 2014. Disponível em: http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/IndicadoresEconomicos/ComExtBRICS.pdf.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Balança Comercial Brasileira: dados consolidados. 2014. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/.

Ministério das Relações Exteriores (MRE). Mercosul é principal fonte de superávit comercial do Brasil. Diponível em : http://www2.planalto.gov.br/noticias/2015/07/mercosul-e-principal-fonte-de-superavit-comercial-do-brasil.

MORAVCIK, A. Preferences and Power in the European Community: A Liberal Intergovernmentalist Approach. 1993, p. 473-524.

MOREIRA, U. Teorias do comércio internacional: um debate sobre a relação entre crescimento econômico e inserção externa. Revista de Economia Política, vol. 32, nº 2 (127), pp. 213-228, abril-junho/2012.

OLIVER STUENKEL. BRICS e o futuro da ordem global. Editora Paz e Terra; Edição: 1. 351 p., 2017.

Palácio do Planalto. Mercosul é principal fonte de superávit comercial do Brasil. Diponível em http://www2.planalto.gov.br/noticias/2015/07/mercosul-e-principal-fonte-de-superavit-comercial-do-brasil. Acesso em : 10 abr. 2018.

PITON GL. Caracterização do Setor de Papel e Celulose no Período Recente. Campinas, 2015.

Poyry Tecnologia Ltda. Guia ABTCP – Fornecedores e Fabricantes. Celulose e papel 2016 /2017. Disponível em: http://www.poyry.com.br/sites/www.poyry.com.br/files/media/related_material/16out27a-abtcp.pdf.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). IDH Global. 2015. Disponível em : http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idh-global.html.

RICHARD, Y. Intégration régionale, régionalisation, régionalisme – les mots et les choses, n 20, 2014. Disponível em http://journals.openedition.org/confins/8939. Acesso em 20 mar. 2018.

REIS, R. S. Economia Internacional: Vantagens Absolutas e Comparativas. Uberaba, 2008.

SALLES, T. T.; SILVA, M. L. da; SOARES, N. S. ; MORAES, A. C. de. Exportação brasileira de papel e celulose: sua dinâmica pela equação gravitacional. Rev. Árvore. 2011, vol.35, n.3, pp.573-580.

RICARDO, D. The Principles of Political Economy and Taxations. Londres: Cambridge University, 1817.

SILVA, F. Noções do Comércio Exterior. Disponível em http://eadgrad.unigran.br/webaulas/grad_22010/administracao/nocoes_comercio_exterior/arquivos/aula09.pdf. Acesso em: 02 set. de 2016.

SILVA M, ILHA AS. Avaliação do Padrão de Comércio Brasil-Argentina no período 1989-2001: Uma Ênfase no Comércio Intra-indústria. Revista de Integração latinoamericano. Vol.1, 2004, n. 01. p.99 -122.

SILVA, A. F.; MONTEIRO, O.; LIRIO, V. S. Evolução e Contribuição do Comércio Intra-Indústria para o Crescimento do comércio total entre Brasil e Argentina. Viçosa, 2005.

SMITH A. The Wealth of Nations. Nova York: Modern Library, 1937.

Trending Economics. Indicators. Disponível em: https://tradingeconomics.com/.

THOMPSON W., “The Regional Subsystem: A Conceptual Explication and Propositional Inventory”, International Studies Quarterly, vol. 17, n°1, 1973, p. 89-117.

YEATS AJ. Does Mercosur’s trade performance justify concerns about the effects of regional trade arrangements? Policy Research Working Paper, The World Bank, n. 1729, 1997.

Downloads

Publicado

2021-09-03

Edição

Seção

Artigos