A Festa da Jaguaratirica: primeiro e sétimo cânticos. Introdução, transcrição e comentários

Autores

  • Rafael José de Menezes Bastos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Hermenegildo José de Menezes Bastos Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Índios xinguanos, Índios kamayurá, Ritual “Yawari”, Canções, Letras

Resumo

Estudo exegético da letra de dois cantos do sistema cancional
do ritual xinguano do “Yawari” em sua versão kamayurá. O
primeiro canto inclui dez canções e vinhetas. O segundo, trinta.
O estudo é introduzido por uma breve análise do ritual e de
suas conexões com a política, cosmologia e filosofia nativas.
Ele está baseado em transcrições fonéticas das letras envolvidas
e em sua tradução instrumental, a partir da qual é feita
uma tradução-interpretação. Com base nas traduções e em cuidadosas exegeses nativas, cada canção é comentada.

Biografia do Autor

Rafael José de Menezes Bastos, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui bacharelado em Música pela Universidade de Brasília (1968), mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (1976) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1990). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal de Santa Catarina, onde coordena o nucleo de estudos "Arte, Cultura e Sociedade na America Latina e Caribe" (MUSA). Atua como conselheiro editorial das seguintes publicações, entre outras: "Vibrant" (Associação Brasileira de Antropologia), "The World of Music", "Critical World" (Universidade de Montreal), "Campos - Revista de Antropologia Social", "Continuum Encyclopedia of Popular Music of the World", "Revista de Estudos Poetico-Musicais" (do Núcleo de Estudos Poético Musicais, UFSC). É co-editor de "Ilha - Revista de Antropologia" e editor de "Antropologia em Primeira Mão", ambos da UFSC. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Etnologia e Etnomusicologia Indigenas, atuando principalmente nos seguintes temas: música nas terras baixas da América do sul, Alto Xingu, música popular brasileira, Santa Catarina e música na América Latina e Caribe.

Hermenegildo José de Menezes Bastos, Universidade de Brasília

Hermenegildo José de Menezes Bastos iniciou sua vida acadêmica, como professor, em 1973. Foi Chefe do Departamento de Estudos de Formação da Associação de Ensino Unificado do Distrito Federal no biênio 1989/1990. É mestre em Teoria Literária pela Universidade de Brasília (1975-77); concluiu o doutorado em Letras (Teoria Literária e Literatura Comparada) pela Universidade de São Paulo em 1996. Concluiu o pós-doutorado na Universidad Nacional Autónoma de México, em 2004. Foi professor convidado da UNAM de 2003 a 2004 e em 2008. É professor da Universidade de Brasília desde 1996. Foi Coordenador de Pós-Graduação em Literatura da Universidade de Brasília. Atualmente é Professor Titular de Literatura Brasileira da Universidade de Brasília. Publicou 40 artigos em periódicos especializados e 19 trabalhos em anais de eventos. Possui 7 capítulos de livros e 3 livros publicados. Possui 2 itens de produção técnica. Participou de 7 eventos no exterior e 19 no Brasil. Orientou 6 dissertações de mestrado e co-orientou 1, orientou 11 teses de doutorado na área de Letras. Atua na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Comparada. Em suas atividades profissionais interagiu com 5 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: História Literária, literatura e indústria cultural, Literatura e modernidade periférica, Murilo Rubião - fantástico e modernidade, Centro e periferia, Graciliano Ramos-escrita do eu- literatura e mercadoria, Juan Rulfo, interpretação e política, literatura e autoquestionamento, Literatura e discurso e romance brasileiro contemporâneo; a nova narrativa: Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Murilo Rubião. Poesia brasileira: Ferreira Gullar, Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Joaquim Cardozo.

Downloads

Publicado

2002-01-01

Edição

Seção

Documentas