Uma Ecologia do Conhecimento: é possível?

Autores

  • Robert Crépeau CÉRUM-Université de Montréal

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

Antropologia ecológica, Durkheim, representações, cultura-natureza.

Resumo

Na esteira de Durkheim, a antropologia ecológica aceitou em grande parte a idéia de que as sociedades humanas apreendem a natureza através de representações individuais e coletivas. Sabemos que a objetividade do conhecimento humano do meio baseava-se, para Durkheim, no caráter coletivo das representações do mundo sensível. Este artigo se consagra ao exame dessa conclusão, revolucionária para sua época, e à sua reformulação estrutural por Claude Lévi-Strauss, e mais recentemente por Philippe Descola. Para escrever uma história crítica da relação cultura-natureza, tal como concebida até os dias de hoje pelos herdeiros de Durkheim, sustentaremos que é preciso problematizar a distinção central estabelecida por Durkheim entre o mundo sensível e as suas representações sociais.

Biografia do Autor

Robert Crépeau, CÉRUM-Université de Montréal

PhD Professor do Departamento de Antropologia da Universidade de Montréal.

Downloads

Publicado

2005-01-01

Edição

Seção

Artigos