A instalação de hidrelétricas no Vale do Rio Uruguai e a constituição de um campo social de conflitos

Autores

  • Maria José Reis Universidade do Vale do Itajaí

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2008v10n1p27

Palavras-chave:

Hidreletncas, Migração compulsoria, Campo social de conflitos

Resumo

O objetivo deste texto e reconstituir a trajetona histórica do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) iniciado no final da decada de 1970 na região do Alto Uruguai (SC/RS) e que continua ate os dias atuais assumindo dimensão nacional e internacional Seu foco central e o campo social de conflitos que se iniciou quando se tornou publica a instalação de hidreletricas na Bacia do Rio Uruguai (SC/RS) por parte das Centrais Eletricas do Sul do Brasil (Eletrosul) Na reconstituição da trajetoriahistórica do referido campo de conflitos além da atuação dessa empresa destaca se de modo especial a dos atingidos — em sua maioria agricultores familiares a serem removidos de seus terntonos tradicionais — e a de seus mediadores —responsavets iniciais pela organização do MAB — focalizando se sua organizaçao estrategias de luta e conquistas.

Biografia do Autor

Maria José Reis, Universidade do Vale do Itajaí

possui graduação em História Bacharelado e Licenciatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (1967), mestrado em ciências Sociais (Arqueologia) pela Universidade de São Paulo (1980) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1998). Atualmente é professor aposentado e voluntário da Universidade Federal de Santa Catarina e professor titular da Universidade do Vale do Itajaí. Tem experiência na área de Antropologia, em diferentes temáticas, com ênfase em Antropologia Rural e políticas públicas de patrimônio cultural, e do Ensino de História, no que diz respeito a aspectos socioculturais.

Downloads

Publicado

2008-08-16

Edição

Seção

Cultura e Desenvolvimento