ROTA Dória. Direção: Gilda Brasileiro. Vitória: Instituto Marlin Azul, 2011. 1 DVD (15 min), color. Projeto Revelando os Brasis. Ano IV.

Autores

  • Felipe Neis Araujo Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2011v13n1-2p303

Palavras-chave:

Antropologia, História, Escravidão

Resumo

Quando a Inglaterra começou a discutir a supressão do tráfico de escravos no Oceano Atlântico, na primeira década do século XIX, deu-se início à caracterização da instituição peculiar como anacrônica e incompatível com o projeto de civilização que as ditas grandes nações almejavam – ou que, na óptica abolicionista, deveriam almejar. A pressão britânica pela abolição do tráfico de escravos entre a costa oeste africana e o Brasil teve início em 1810, através do Tratado de Aliança e Amizade, assinado pelos soberanos da Grã-Bretanha e de Portugal. Esse contrato “cobrava a restrição do comércio de escravos conduzido pelos portugueses”, como assinalam as historiadoras Beatriz Mamigonian e Keila Grinberg (2007, p. 87).

Biografia do Autor

Felipe Neis Araujo, Universidade Federal de Santa Catarina

Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina - PPGAS/UFSC

Downloads

Publicado

2012-12-03

Edição

Seção

Resenhas