Vizinhos Difíceis: maroons e índios no Suriname

Autores

  • Richard Price College of William & Mary, Williamsburg, Virginia, USA

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2014v16n1p203

Palavras-chave:

Saamaka, Ameríndios, Suriname

Resumo

Este artigo apresenta a história das relações entre os maroons saamaka e os ameríndios no Suriname, que variaram entre a amizade e a solidariedade limitadas e a ferrenha inimizade. Durante o século XVII, à medida que os escravos africanos fugiram em direção às florestas, os índios serviram como seus mentores e, em certos casos, como seus cônjuges. Durante as décadas de guerra entre o nascente povo Saamaka e o governo colonial, os índios foram utilizados pelo governo como eficientes batedores nas florestas e como caçadores de recompensa dos Saamaka. À época da paz de 1762, uma aldeia saamaka contava com uma dúzia de índios Akuriyó e vários cativos Arawak; outro povoado incluía os famosos índios “Tufinga”. Este trabalho termina com uma discussão sobre o papel antimaroon desempenhado pelos índios durante a Guerra Civil do Suriname (1986-1992) e da luta por direitos territoriais, em que maroons e índios estão, finalmente, a colaborar.

Downloads

Publicado

2014-12-05

Edição

Seção

Tradução