Mulheres que Matam: duas sentenças contrastantes – dois casos similares

Autores

  • Álvarez Santiago Universidad Nacional Arturo Jauretche
  • Natalia Biraben Castelnuovo Universidad de Buenos Aires

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n1p33

Resumo

Neste artigo propõe-se comparar dois casos jurídicos aparentemente semelhantes protagonizados por mulheres que assassinaram seus parceiros agressores. Porém, trata-se de casos que apresentam resultados jurídicos contrastantes. Pois enquanto num deles o tribunal condenou a mulher, no outro ela foi absolvida, alegando que o homicídio foi em “legítima defesa”. Trata-se então de casos análogos e de sentenças contraditórias? Ou, pelo contrário, esses casos são muito dissimiles e não seriam então contraditórios na sentença? Sem desprezar o fato de que nenhum caso é igual a outro, encontra-se nas análises dos dois casos  um conjunto de semelhanças evidentes. Refere-se especificamente aos casos de Graciela Aguirre e Valeria Pérez Aquino, acontecidos no ano de 2007. O primeiro foi no distrito de La Matanza, província de Buenos Aires, e o outro, na província de Chubut. Este estudo considera como fontes os meios de comunicação, especialmente os jornais, para analisar um dos espaços dentre os quais são construídas moralidades e valores que envolvem representações sobre as relações de gênero, a dualidade vítima/agência e a violência de gênero.

Biografia do Autor

Álvarez Santiago, Universidad Nacional Arturo Jauretche

Doctorado (PhD) en el departamento de antropología social de la London School of Economics and Political Science en donde anteriormente recibió un master (Msc) en la misma disciplina. Realizó un curso de postgrado en políticas para el desarrollo en Italia. Santiago Alvarez es graduado en abogacía recibido en la UCA. Profesor titular regular en la Universidad Nacional Arturo Jauretche. Además, dicta las materias de Antropología Política, en la Maestría en Antropología Social IDES-IDAES Universidad Nacional  de San Martín, y de Antropología de la comunicación en la Universidad de San Andrés. Desarrolló trabajo de campo en Antropología Social en Colombia, Burkina Faso y Argentina.

Actualmente está investigando formas de omensalidad entre victimarios de grupos para-estatales comparando su trabajo de campo en los andes sudorientales colombianos con memorias sobre la represión política en Argentina.

Downloads

Publicado

2015-11-25

Como Citar

SANTIAGO, Álvarez; CASTELNUOVO, Natalia Biraben. Mulheres que Matam: duas sentenças contrastantes – dois casos similares. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 33–54, 2015. DOI: 10.5007/2175-8034.2015v17n1p33. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/2175-8034.2015v17n1p33. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos