Antropologia como (In)Disciplina: notas sobre uma relação imprecisa entre campo e escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n2p101

Palavras-chave:

Etnografia, Antropologia Simétrica, Escrita, Texto, Relação

Resumo

O itinerário que propomos no presente texto, enseja traçar um panorama a partir da relação entre a pesquisa de campo e a escrita antropológica, refletindo sobre o lugar da descrição (etnográfica, cartográfica, modos de existência) na produção antropológica contemporânea. Não é nosso objetivo pensar enquanto história dos conceitos ou da própria disciplina, mas interessa-nos produzir considerações que apontem para os efeitos da pluralidade dos modos de pensar a relação entre as pessoas no mundo associada aos modos de pensar a Antropologia. Reveste-se assim, na tentativa de pensar ângulos e perspectivas sobre como um conjunto de referenciais teóricos e metodológicos pode dialogar com pesquisas alçadas em cenários e temas distintos. Assim é preocupação do presente texto, refletir em uma interlocução interessada nos aspectos da relação e do lugar da etnografia na produção antropológica que problematizem a postura de uma antropologia como (in)disciplina preocupada com a relação imprecisa entre campo e escrita.

Biografia do Autor

João Paulo Roberti Junior, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Mestrando em Antropologia Social na Universidade Federal de Santa (UFSC), SC, Brasil. Graduado em Psicologia (UNIDAVI, 2013) e História (UNIASSELVI, 2012). Membro estudante do GrupCiber (Grupo de Pesquisa em Ciberantropologia/Laboratório de Antropologia Social – PPGAS/UFSC). Bolsista de Mestrado pelo CNPQ. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.

Diógenes Egidio Cariaga, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorando em Antropologia Social na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), SC, Brasil. Pesquisador vinculado ao Núcleo de Estudos de Populações Indígenas NEPI/PPGAS/UFSC e a INCT Brasil Plural. Mestre pelo PPGH/UFGD, pela linha de pesquisa em História Indígena e bacharel em Ciências Sociais pela UFMS. Sócio da Associação Brasileira de Antropologia(ABA) e da Society For The Anthrolopogy Of Lawlands South America (SALSA).

Jean Segata, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), RN, Brasil

Professor do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui mestrado e doutorado em Antropologia Social pela UFSC onde também realizou pós-doutorado. Tem experiência na área Antropologia Urbana e Teoria Antropológica, atuando principalmente nos seguintes temas/campos: redes  sociotécnicas; ciência, tecnologia e sociedade; cibercultura; natureza e cultura; relações homem-animal em meios urbanos.

Downloads

Publicado

2015-12-27

Edição

Seção

NÚMERO 2: Artigos