Faturas/Fraturas: da noção de rede à noção de vínculo

Autores

  • Bruno Latour Universidade da Califórnia, Santa Cruz, Estados Unidos
  • Theophilos Rifiotis Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil
  • Dalila Floriani Petry Université Paris Ouest Nanterrre La Défense – Paris X, Paris, França
  • Jean Segata Universidade Federal do Rio Grande do Norte, RN, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n2p123

Palavras-chave:

Redes, Teoria ator-rede Latour, Sociotécnico

Resumo

Trata-se um texto de Bruno Latour em que ele discute a noção de attachement, termo aqui traduzido para o português como “vínculo”. O autor se vale da reflexão sobre a noção de vínculo e suas implicações para enriquecer a sociologia das redes e os debates sobre a “teoria ator-rede”.

Biografia do Autor

Bruno Latour, Universidade da Califórnia, Santa Cruz, Estados Unidos

http://www.bruno-latour.fr/biography

Theophilos Rifiotis, Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil

Professor do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Lecionou na Université de Montréal (Canadá) e na Universidad de Buenos Aires (Argentina) e em várias universidades no Brasil. Pesquisador convidado no Centre dAnalyse et dIntervention sociologique (CADIS) da École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) de Paris, do Centre de recherche interdisciplinaire sur la violence familiale et la violence faite aux femmes (CRI-VIFF) e Centre international de criminologie comparée (CICC) da Université de Montréal (Montreal). Realizou pós-doutorado na Université de Montréal e na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris. Mestrado na Universidade de Paris V - René Descartes (1982) e Doutorado na USP (1994). Foi duas vezes vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber) de 2008 a 2011. Consultor ad hoc do CNPq, CAPES, FAPESP, MEC. Coordenador do LEVIS (Laboratório de Estudos das Violências) e do GrupCiber (Grupo de Pesquisa em Ciberantropologia) da UFSC.

Dalila Floriani Petry, Université Paris Ouest Nanterrre La Défense – Paris X, Paris, França

Mestra em Antropologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. É bacharel em Ciências Sociais pela UFSC sob orientação do Prof. Dr. Theophilos Rifiotis e licenciada em Ciências Sociais pela Fundação Universidade  Regional de Blumenau - FURB. Integra o GrupCiber (Grupo de Pesquisa em Ciberantropologia) - UFSC  desde outubro de 2009. Possui experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia do Ciberespaço.

Jean Segata, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, RN, Brasil

Professor do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui mestrado e doutorado em Antropologia Social pela UFSC onde também realizou pós-doutorado. Tem experiência na área Antropologia Urbana e Teoria Antropológica, atuando principalmente nos seguintes temas/campos: redes sociotécnicas; ciência, tecnologia e sociedade; cibercultura; natureza e cultura; relações homem-animal em meios urbanos.

Downloads

Publicado

2015-12-27

Edição

Seção

Tradução