Movimentos sociais: o desafio de mobilizar, propor e afirmar

Autores

  • Claudia Regina Bonalume UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2020v22n1p154

Palavras-chave:

Movimentos sociais, Participação, Plataformas digitais

Resumo

Um caminho em permanente construção percorrido pelos movimentos sociais os quais fazem parte das mudanças culturais, econômicas, sociais e políticas das sociedades. Trago aqui uma análise acerca dessa história, focada no período mais recente, tomando como ponto de partida as organizações em torno de demandas específicas e questões de classe, passando pela incorporação de grupos e pautas identitárias, causas ambientais e sociais e pela inclusão de dimensões subjetivas, chegando aos atuais movimentos e contramovimentos, cada qual com suas demandas que podem ser específicas, múltiplas, ou mesmo sem foco. Procuro trazer elementos que permitam e provoquem a reflexão acerca do momento atual, abarcando as mobilizações, os protestos e o uso das plataformas digitais pelos movimentos sociais, tentando apontar formas de organização, motivações, aproximações e especificidades que os colocam no complexo cenário atual.

Biografia do Autor

Claudia Regina Bonalume, UFMG

Doutoranda em Estudos do Lazer pela UFMG, Mestre em Educação Física pela Unb, possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Física, pela Universidade de Caxias do Sul (1990) e especialização em Educação do Movimento, pela mesma Universidade. Na atuação profissional foi Diretora de Cooperação Internacional da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Atuou também como Diretora de Logiítica da Presidência da República, Secretária Executiva Adjunta no Ministério do Desenvolvimento Agrário, onde foi também Diretora de Ações de Desenvolvimento Territorial. Anteriormente trabalhou no Ministério do Esporte, como coordenadora geral, diretora do Departamento de Políticas Sociais, membro suplente do Conselho Nacional do Esporte e Chefe de Gabinete da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer. Antes disso foi Secretária Municipal de Esporte e Lazer da Prefeitura de Caxias do Sul/RS e professora da rede municipal de ensino.

Referências

ALONSO, Ângela. A Política das Ruas. Novos Estudos, CEBRAP, SP, Junho de 2017, 49-58.

AVRITZER, Leonardo. Sociedade civil e Estado no Brasil: da autonomia à interdependência política. Campinas, Opinião Pública, vol. 18, nº 2, novembro, 2012a, p. 383-398.

BRUM, Eliane. Como resistir em tempos brutos. Jornal El País, 09/10/2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/08/opinion/1539019640_653931.html?id_externo_rsoc=FB_CC. Acesso: 11/10/2018.

CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade. 4ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011

CANCLINI, Néstor G. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Tradução Maurício Santana Dias. 8 ed, 2 reimpr., Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2015.

CARLOS, Eugênia e ORTELLADO, Pablo. O que são Movimentos Sociais. E como está o debate sobre o uso do conceito. Entrevista a Paulo Flores. In. Expresso, Nexo, 12 de Jan 2018. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/01/12/O-que-s%C3%A3o-%E2%80%98movimentos-sociais%E2%80%99.-E-como-est%C3%A1-o-debate-sobre-o-uso-do-conceito. Acesso: 13/11/2018.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2ª ed. 2017.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. 2003. In: CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ª. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

ESPINOSA, Baruch. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FREIRE, Paulo. A constituição de uma nova cultura política. In: VILLAS‐BOAS, R.; TELLES, V. S. Poder local, participação popular, construção da cidadania. São Paulo: Instituto Cajamar; Instituto Pólis; FASE; IBASE, 1995.

GENESINI, Silvio. A pós-verdade é uma notícia falsa. São Paulo: Revista USP, n. 116, jan. mar 2018, p. 45-58.

GOLDMAN, Marcio e HARTUNG, Miriam. Dossiê Políticas e Subjetividades nos “Novos Movimentos Culturais”. Ilha – Revista de Antropologia. Florianópolis, SC. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC/PPGAS. 2009, v. 9, número 1, p. 9 a 22.

GHON, Maria da Glória. Teoria dos Movimentos Sociais: Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. Edições Loyola, São Paulo: 1997.

GHON, Maria da Glória. Sociedade Civil no Brasil: movimentos sociais e ONGs. Meta: avaliação. Rio de Janeiro, v. 5, n. 14, p. 238-253, mai./ago. 2013.

GRAMSCI, Antonio. Cartas do Cárcere. Tradução de Noênio Spínola. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987, p.224.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro, 12º Edição, Lamparina, 2015.

IASI, Mauro L. Ensaios sobre consciência e emancipação. São Paulo: Expressão Popular. 2007.

IBGE. Desemprego sobe para 12,7% com 13,4 milhões de pessoas em busca de trabalho. 31/05/2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/24283-desemprego-sobe-para-12-7-com-13-4-milhoes-de-pessoas-em-busca-de-trabalho. Acesso em 22 de jun. de 2019

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as Democracias Morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LOBO, Edilene e MOREIRA, Pedro H. C. E. Fake news e autenticidade das eleições brasileiras. In: OLIVEIRA, Armando A. et al. (Coord.). Teoria da democracia e da filosofia do Estado e direito constitucional. Zaragoza: Prensas de la Universidad de Zaragoza, 2019, p. 285-300.

MENEZES NETO, Elias J. de; MORAIS, José. L. B. de. Análises computacionais preditivas como um novo biopoder: modificações do tempo na sociedade dos sensores. In Revista Novos Estudos Jurídicos – Eletrônica, Vol. 24 – n. 3 – set-dez 2018. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/13769/7808. Acesso em: 15/01/2019.

MOUFFE, Chantal. Sobre o Político. Tradução Fernando Santos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes Ltda, 2015.

PRADO, Luciana F. S. Feminismo pós-redes sociais: reflexões sobre marcas e empoderamento. COMUNICON. São Paulo, 2016. Disponível em http://anais-comunicon2016.espm.br/GTs/GTPOS/GT6/GT06. LUCIANA_PRADO.pdf. Acesso em 16/10/2018.

RIBEIRO, Ednaldo A., BORBA, Julian, HANSEN, Jaqueline R. Participação on-line e off-line no Brasil: relações e condicionantes. Revista do Serviço Público, Brasília 67 (4), p. 497-523 out/dez 2016.

ROCHA, Sandra D. da. Sobre dissensos, limites e possibilidades do conceito de sociedade civil. Anais do II Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia. UFSC, Florianópolis, 2007.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Edição

Seção

Artigos