Conservação da agrobiodiversidade, populações tradicionais e cientistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e67235

Resumo

Este artigo visa identificar como cientistas e populações tradicionais percebem a agrobiodiversidade e a motivação que os movem para sua conservação. O foco são as pesquisas com sementes e como elas dialogam com a autonomia alimentar e agrícola dessas populações.

Para tal, utilizei dados da pesquisa de doutorado em Antropologia, sobre políticas públicas e conservação da natureza na Amazônia, realizada com pequenos agricultores e antigos seringueiros em Cruzeiro do Sul, Acre, em 2008 e 2010. Soma-se a isso, a aproximação com cientistas em eventos sobre agrobiodiversidade ocorridos na Alemanha, durante o doutorado-sanduíche na Universidade Livre de Berlim, em 2009, e depois, em Bonn, em 2104.

O referencial teórico baseia-se na noção de processos discursivos e redes complexas de atores. Como resultado, aponto que as representações sociais ligadas ao uso e à conservação da agrobiodiversidade pelos cientistas e pelas populações tradicionais envolvem diversos aspectos e relações de poder.




Biografia do Autor

Maíra Bueno de Carvalho, UNICAMP

Mestre e Doutora em Antropologia Social pelo IFCH - UNICAMP.

Referências

ALMEIDA, A. W. B. A dimensão política dos “conhecimentos tradicionais” na Amazônia. Cadernos do CEAS. Bd. 216, S.9-30, 2005.

ACOSTA, Alberto y MARTÍNEZ, Esperanza (Comps.). Derechos de la Naturaleza. El Futuro es ahora. Quito: Abya Yala, 2011.

ACOSTA, Alberto. El buen Vivir. Sumak Kawsay, una oportunidad para imaginar otros mundos. Barcelona: Ícaria, 2013.

BION. Biodiversity Today for Tomorrow – 1st International BION Conference. Conference Declaration. S/data.

BURLE, M.; DIAS, T. Ampliando a abertura dos bancos de germoplasma da Embrapa: experiências e atividades em andamento Increasing the availability of Embrapa genebanks: experiences and ongoing activities. IV Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno. Brasília/DF 07 a 09/10/2014. Anais de Congresso. 2014.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Populações Tradicionais e a Convenção da Diversidade Biológica. In: Estudos Avançados, USP, v.13, n.36, pp147-164. São Paulo, IEA. 1999.

CARNEIRO DA CUNHA, M. e ALMEIDA, M. W. B. Populações Indígenas, Povos Tradicionais e Preservação na Amazônia. In Biodiversidade na Amazônia Brasileira. Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios, orgs João P., R. Capobianco et al, São Paulo, Instituto Socioambiental e Estação Liberdade, pp. 184-193. 2001.

CARNEIRO DA CUNHA, M. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: Cultura com aspas. São Paulo. Cosac e Naif. Pp. 311-373. 2009.

CARVALHO, M. B. Biotecnologia, Estado e Poder na Amazonia: o caso CBA-Manaus. 2006. 200p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. 2006.

CARVALHO, M. B. Articulações para o desenvolvimento na floresta: populações locais e políticas públicas em torno da natureza na microrregião de Cruzeiro do Sul, Acre. Tese de doutorado (Antropologia Social). IFCH/UNICAMP. Campinas, SP, 2013.

CARVALHO, M. B. Conservação da agrobiodiversidade e desmatamento na Amazônia: os desafios da produção de farinha de mandioca na região de Cruzeiro do Sul, Acre. In: Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 25(25), 176-199. 2017.

CDB. Convenção da Diversidade Biológica. 1992.

DIAS, T.A.B.; FERREIRA, M.A.F.; BARBIERI, R.L.; TEIXEIRA, F.F.; AZEVEDO, S.G. Gene banks that promote on farm management through the reintroduction of local varieties in Brazil. In: Community biodiversity management promoting resilience and the conservation of plant genetic resources. Enthscan Routledge, 2012.

DIAS, T.A.B.; PIOVEZAN, U.; SANTOS, N.R.; ARATANHA, V.; SILVA, E.O. Sementes tradicionais Krahô: história, estrela, dinâmicas e conservação. In: Agriculturas: Experiências em Agroecologia v. 11, n. 1, p. 9-14. 2014.

EMPERAIRE L.; VELTHEM L. H. V.; OLIVEIRA A. G. D.; SANTILLI J.; CARNEIRO DA CUNHA M. AND KATZ E. Dossiê de registro do sistema agrícola tradicional do Rio Negro. Brasília: ACIMRN / IPHAN / IRD / Unicamp-CNPq. 2010.

ESCOBAR, A. Whose Knowledge, Whose Nature? Biodiversity, conservation, and the Political Ecology of Social Movements. Journal of Political Ecology, Vol.5. Pp. 53-82. 1998.

ESCOBAR, A. After Nature: Passos para uma ecologia política antiessencialista. In: Current Anthropology 40 (1): 1-30, 1999. Tradução de Gabor Basch. In Temáticas. Campinas, 12 (23/24): 67-122. Jan/dez 2004.

ESCOBAR, A. Territorios de diferencia. Lugar, movimientos, vida, redes. Envión Editores. Samava Impresiones. Popayán, Colombia. 2010.

ESCOBAR, A. e PARDO, M. Movimentos Sociais e Bio Diversidade no pacífico Colombiano. In: Santos, Boaventura (Ed) Semear outras Soluções: Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio: Civilização Brasileira, 2005.

FAO. El Estado mundial de la agricultura y la alimentación. FAO – UN, 2012.

FAO. The State of the World's Biodiversity for Food and Agriculture. Commission on genetic resources for food and agriculture food and agriculture organization of the United Nations. Rome. FAO – UN, 2019.

KATE, K e LAIRD, S. A. The commercial use of biodiversity: Access to genetic resources and benefit sharing. London, Earthscan Publications. 1999

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. São Paulo, Editora 34, 1994.

LATOUR, B. Políticas da Natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru, SP. Edusc, 2004.

LATOUR, B. Reemsemblar lo social: uma introducción a La teoria Del ator-rede. Buenos Aires, Manantial, 2008.

SANTILLI, J. Agrobiodiversidade e direitos dos agricultores. São Paulo: Editora Peirópolis, 2009.

SANTONIERE, L. E BUSTAMENTE, P. Conservação ex situ e on farm de recursos genéticos: desafios para promover sinergias e complementaridades. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 11, n. 3, p. 677-690, set.-dez. 2016.

SEIXAS, A. C. P. S. Entre terreiros e roçados: a construção da agrobiodiversidade por moradores do Rio Croa, Vale do Juruá (AC). Dissertação de Mestrado. Centro de Desenvolvimento Sustentável. Universidade de Brasília, 2008.

SMITH, J. Biotecnology. Cambridge Press, 1996.

TIRFAA. Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura, 2001.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Como Citar

CARVALHO, Maíra Bueno de. Conservação da agrobiodiversidade, populações tradicionais e cientistas. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 6–26, 2021. DOI: 10.5007/2175-8034.2021.e67235. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/67235. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos