Falas e Comensalidade: políticas e coletivos em um acampamento de retomada entre os Kaingang da TI Queimadas (Ortigueira/PR)

Autores

  • Rodrigo Souza Graça Fundação Nacional do Índio (FUNAI)Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Ricardo Cid Fernandes Universidade de São Paulo Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e70649

Palavras-chave:

Kaingang, Guerra, Comensalidade, Falas

Resumo

Em 2018, os Kaingang da TI Queimadas (Ortigueira/PR) realizavam ampla mobilização, ocupando uma área que havia sido retirada deles há mais de 70 anos. Em retomada, acampamentos eram levantados e casas ocupadas, visando à acomodação, à pernoite e às refeições. Ainda, um contingente significativo de indígenas se encontrava em fluxo e refluxo diários entre a sede da Terra Indígena e a área de retomada. Trata-se de contexto aqui analisado no recorte etnológico da guerra: na produção de coletivos e de lideranças/ chefes. Abordamos, assim, o cotidiano da guerra nesse acampamento de retomada a partir de dois eixos principais: pronunciamentos e registros audiovisuais pautados por duas lideranças indígenas principais, nos quais emergem “chefes”, “povo”, “a gente” e não indígenas; e os fogos dos acampamentos, nos quais se opera a distribuição de comida e a comensalidade. A partir desses referenciais, visamos à contribuição sobre a configuração de coletivos e lideranças/chefes entre os Kaingang, haja vista a relevância da guerra.

Biografia do Autor

Rodrigo Souza Graça, Fundação Nacional do Índio (FUNAI)Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Atualmente é Indigenista Especializado e chefe da Coordenação Técnica Local em Pontes e Lacerda/MT na Fundação Nacional do Índio (FUNAI), com atuação em destaque nas áreas de direitos sociais, etnodesenvolvimento e monitoramento/proteção territorial junto às populações indígenas Nambiquara (Katitaurlu) e Chiquitano.

Ricardo Cid Fernandes, Universidade de São Paulo Universidade Federal do Paraná

Graduação em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992), mestrado em Social Anthropology – MPhil University of Cambridge (1995), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (2003), estágio pós doutoral na Université de Montreal (2018). Atualmente é professor e pesquisador da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase no estudo de sociedades tradicionais (indígenas e quilombolas) no Sul do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: relações interétnicas, etnohistória, política indígena, etnologia, territorialidade tradicional e estudos de impacto socioambiental.

Referências

BORBA, Telêmaco. Actualidade Indígena. Curitiba: Impressora Paranaense, 1908.

CIMBALUK, Lucas. A criação da aldeia água branca na terra indígena Kaingang Apucaraninha: “política interna”, moralidade e cultura. 2013. 252p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2015. FAUSTO, Carlos. Banquete de gente: comensalidade e canibalismo na Amazônia. Mana, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 7-44, out. 2002.

FERNANDES, Ricardo. Política e Parentesco entre os Kaingang: uma análise etnológica. 2003. 288p. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

FERNANDES, Ricardo. O 15 e o 23: políticas e políticos Kaingang. Campos Revista de Antropologia, [s.l.], v. 7, n. 2, p. 27-47, 2006.

GALLOIS, Dominique. “Nossas Falas Duras”. Discurso político e auto-representação Waiãpi. In: ALBERT, Bruce; RAMOS, Alcida R. (org.). Pacificando o Branco: Cosmologias do Contato no Norte-Amazônico. São Paulo: UNESP, 2002a. p. 205 - 237.

GALLOIS, Dominique Tilkin. Vigilância e controle territorial entre os Waiãpi: desafios para superar uma transição na gestão do coletivo. In: GRAMKOW, Márcia Maria (Org.). Demarcando Terras Indígenas II: experiências e desafios de um projeto de parceria. Brasília, DF: FUNAI/PPTAL/GTZ, 2002b. p. 95-112.

GIBRAM, Paola. Política, Parentesco e outras Histórias kaingang: uma etnografia em Penhkár. 2012. 202p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

GÓES, Paulo Roberto. Morfológicas: um estudo etnológico sobre os padrões socioterritoriais entre os Kaingang (dialeto paraná) e Mbya (litoral sul). 2018. 499p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

LANNA, Marcos. As sociedades contra o Estado existem? Reciprocidade e poder em Pierre Clastres. Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 419-448, out. 2005.

OLIVEIRA, Philippe H. Comida forte e comida fraca: Alimentação e Fabricação dos corpos entre os Kaingáng da Terra Indígena Xapecó (Santa Catarina, Brasil). 2009. 142p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Festa e Guerra. 2015. 126p. Tese (Livre-Docência) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SPI – SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Relatório: trabalhos realizados em 1942 - direcionado ao Diretor do Serviço de Proteção aos Índios. Microfilme 75. Museu do Índio, Rio de Janeiro, 18/01/1943.

SZTUTMAN, Renato. O Profeta e o Principal: a ação política ameríndia e seus personagens. 2005. 576p. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SZTUTMAN, Renato. Metamorfoses do Contra-Estado: Pierre Clastres e as Políticas Ameríndias. Pontourbe, [on-line] 13, 31 de dezembro 2013. DOI: 10.4000/pontourbe.893. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/893. Acesso em: 28 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2022-05-26

Edição

Seção

Artigos