Águas de Dançar Juntos: coordenação e sintonização multiespécies na pesca com os botos em Laguna (SC, Brasil)

Autores

  • Brisa Catão Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e77519

Palavras-chave:

Pesca, Relações multiespécies, Golfinho nariz-de-garrafa, Tainha

Resumo

A pesquisa, em Laguna (Santa Catarina, Brasil), narra uma história de encontros entre tainhas em migração pela costa sul brasileira, golfinhos nariz-de-garrafa que habitam a Lagoa Santo Antônio dos Anjos e pescadores. Golfinhos que participam da pesca vêm desenvolvendo conjuntamente formas de convivência, colaboração e bem viver. Bôtas boas e botos bons conduzem cardumes de tainhas na direção dos pescadores e sinalizam a localização dos peixes com movimentos corporais característicos. Os pescadores reconhecem individualmente cada boto bom e bôta boa, atribuem-lhes nomes, descrevem seus hábitos particulares e outras características de suas histórias de vida, como relações de parentesco, desaparecimentos temporários e episódios de emalhe.  O texto aborda formas de comunicação ligadas às ideias de atração, corpos, movimentos, co-responsividades, temporalidades humanas e não-humanas, ajustamentos rítmicos, coordenação e sintonização multiespécies. Analisando o desenvolvimento de habilidades interespecíficas o texto explora complementarmente os conceitos de etno-etologia, eto-etnologia e eto-ecologia.

Referências

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind. Collected essays in anthropology, psychiatry, evolution, and epistemology. Northvale, NJ: Jason Aronson Inc., 1972.

BATESON, Gregory. Mind and nature: a necessary unity (advances in systems theory, complexity, and the human sciences). New York: Hampton Press, 1979.

BITARÃES, Adriano. Livro Infinito. [s.l.: s.n.], 2021. (no prelo).

BOCCHINO, R. Pesca Artesanal com o Auxílio dos Botos em Laguna. BRA, 2015. Documentário. Duração: 16min53seg. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8uqC34gMZOA. Acesso em: 10 jan. 2021.

CADORÍN, A.; CADORÍN, L. Laguna Terra Mater: dos sambaquis à República Catarinense. Blumenau: Nova Letra, 2013.

CALLICOT, C. Comunicação entre Espécies na Amazônia Ocidental Caderno Chão da Feira, [s.l.], n. 71, 2017.

CATÃO, Brisa. Impressões na Água: peixes, botos e pescadores na pesca conjunta em Laguna. 2019. 183p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

CATÃO, Brisa; BARBOSA, C. G. Botos Bons, Peixes e Pescadores: sobre a pesca conjunta em Laguna (Santa Catarina, Brasil). Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [s.l.], v. 69, p. 205-225, 2018.

DAURA-JORGE, Fábio G. Quantos? Onde? Como? Múltiplos aspectos ecológicos de uma população do boto-da-tainha (Tursiops truncatus) em Laguna, sul do Brasil: implicações para conservação. 2011. 264p. Tese (Doutorado em Zoologia) – Programa de PósGraduação em Ciências Biológicas, Zoologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

DESPRET, V. The body we care for: Figures of anthropozoo-genesis. Body and Society, [s.l.], v. 10, n. 2-3, p. 111-134, 2004.

GAN, Elaine. Time Machines: Making and Unmaking Rice. 2016. Dissertation (Doctor of Philosophy) – University of California, Santa Cruz, 2016.

GAN, Elaine; TSING, Anna. How things hold. A Diagram of Coordination in a Satoyama Forest. Social Analysis, [s.l.], v. 62, p. 102-145, 2018.

GIBSON, James. The ecologycal approach to visual perception. New York: Psychology Press, 1986.

GONÇALVES, A.; THOMÉ, C. Cegos usam técnica para “ver” com audição. O Estado de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.estadao.com.br/noticias/geral,cegosusam-tecnica-para-ver-com-audicao-imp-,740066. Acesso em: 2 mar. 2020.

HARAWAY, Donna. O Manifesto das Espécies de Companhia: cães, pessoas e a outridade significante. 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/37220573/Manifesto_das_Especies_de_Companhia. Acesso em: 30 nov. 2020.

HARAWAY, Donna. When Species Meet. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

HERZING, D. Could we speak the language of dolphins? 2013. Duração: 14min38seg. Disponível em: https://www.ted.com/talks. Acesso em: 2 jan. 2019.

HORNBORG, A. Vital signs: an ecosemiotic perspective on the human ecology of Amazonia. Sign Systems Studies, [s.l.], v. 29, p. 121-152, 2001.

INGOLD, Tim. On Human Correspondence. Journal of the Royal Anthropological Institute, [s.l.], v. 0, p. 1-19, 2016.

KULL, K. An introduction to phytosemiotics: Semiotic botany and vegetative sign systems. Sign Systems Studies, [s.l.], v. 28, p. 326-350, 2000.

LATOUR, Bruno. Faturas/Fraturas: da noção de rede à noção de vínculo. Ilha – Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 17, n. 2, 2015.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução a teoria do Ator-Rede. Salvador, BA, Edufba; Edusc, 2013.

LESTEL, D.; BRUNOIS, F.; GAUNET, F. Etho-ethnology and ethno-ethology. Social Science Information, [s.l.], v. 45, n. 2, p. 155-177, 2006.

LESTEL, D.; BUSSOLINI, J.; CHRULEW, M. The Phenomenology of Animal Life. Environmental Humanities, [s.l.], v. 5, n. 1, p. 125-148, 2014.

MOORE, Nina. Nonverbal Communication: studies and applications. New York: Oxford University Press, 2010.

PETERSON, D. Etnobiologia dos botos (Tursiops truncatus) e a pesca cooperativa em Laguna, Santa Catarina. 2015. 74p. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

PETERSON, D.; HANAZAKI, N.; SIMÕES-LOPES, P. C. Natural resource appropriation in cooperative artisanal fishing between fishermen and dolphins (Tursiops truncatus) in Laguna, Brazil. Ocean Coast Manag. [s.l.], v. 5, p. 469-475, 2008.

PRYOR, Karen. et al. A dolphin-human fishing cooperative in Brazil. Marine Mammalogy Science, [s.l.], n. 6, p. 325-332, 1990.

ROHR, João Alfredo. Sítios Arqueológicos de Santa Catarina. Anais do Museu de Antropologia da UFSC, Florianópolis, 1984.

ROMEU, B. Contribuições do comportamento acústico do boto-da-tainha (Tursiops truncatus) para o entendimento da interação entre botos e pescadores em Laguna, Santa Catarina. 2015. 100p. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

ROMEU, B. Repertório acústico do boto-da-tainha no contexto da pesca cooperativa com pescadores artesanais em Laguna, sul do Brasil. 2012. 62p. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

ROSE, D. B. Val Plumwood’s Philosophical Animism: attention interactions in the sentient world. Environmental Humanities, [s.l.], v. 3, p. 93-109, 2013.

SANTOS, Antônio (Nego) Bispo. Colonização, Quilombos: modos e significados. Brasília: INCTI, 2015.

SEBEOK, Thomas. The Swiss Pioneer in Nonverbal Communication Studies: Heini Hediger (1908-1992). New York: Legas, 2001.

SHOROER, Sara. On the Wing. Exploring Human Bird Relationship in Falcoery Practice. 104. Thesis for Philosophy in Anthropology – University of Aberdeen, Scotland, 2014.

SIMÕES-LOPES, P. C. Interaction of coastal populations of Tursiops truncates (Cetacea, Delphinidae) with the mullet artisanal fisheries in southern Brazil. Biotemas, [s.l.], 1991.

SIMÕES-LOPES, P. C.; DAURA-JORGE, F. G. Os parceiros da sobrevivência. Insular, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 83-94, 2008.

SIMÕES-LOPES, P. C.; DAURA-JORGE, F.; CANTOR, M. Clues of cultural transmission in cooperative foraging between artisanal fishermen and bottlenose dolphins, Tursiops truncatus (Cetacea: Delphinidae). Zoologia, [s.l.], v. 33, n. 6, 2016.

SIMÕES-LOPES, P. C.; FÁBIAN, M. E. Residence patterns and site fidelity in Bottlenose Dolphins, Tursiops truncatus (Cetacea, Delphinidae) of Southern Brazil. Rev. Bras. de Zool., [s.l.], v. 16, n. 4, p. 1.017-1.024, 1999.

SIMÕES-LOPES, P. C.; FÁBIAN, M.; MENEGUETI, J. O. Dolphin interactions with the mullet artisanal fishing on Southern Brazil: a qualitative and quantitative approach. Revista Brasileira de Zoologia, [s.l.], n. 15, p. 709-726, 1998.

STARHAWK. Magia, Visão e Ação. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [s.l.], Tradução de Adriana Rinaldi e Jamille Pinheiro Dias, n. 69, p. 52-65, 2018.

STENGERS, I. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 69, p. 442-464, 2018.

STENGERS, I. An Ecology of Practices. Cultural Studies Review, [s.l.], v. 11, n. 1, 2005.

STENGERS, I. Uma ciência triste é aquela em que não se dança. Rev. Antropol. [s.l.], v. 59, n. 2, 2016.

STENGERS, I. Reativar o Animismo. Cadernos Chão de Feira, [s.l.], n. 62, 2017.

TSING, Anna. Dancing the Mushroom Forest. PAN: Philosophy, Activism, Nature, [s.l.], n. 10, 2013.

Downloads

Publicado

2021-02-24

Edição

Seção

Diversidade Contaminada - Dossiê ReACT