Incorporação Etnográfica: pesquisa, mediunidade e ontologia (re)flexível(iva)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e80654

Palavras-chave:

Atuação do psicólogo, Saúde da Família, Saúde Pública

Resumo

As reflexões sobre a mediunidade nas ciências sociais têm sido frequentemente construídas de forma
inconsistente. Parece que essa incoerência está ligada a uma convicção epistemo-metodológica, ou seja,
que a mediunidade é um “fenômeno” do “outro”, “nativo de cosmologias espiritualistas”. Em contraste,
o depoimento desse suposto “nativo” argumenta que o pesquisador também é médium, queira ou admita
ser, ou não. A relutância em aceitar esse princípio teocosmológico é também frequentemente motivada
pelas implicações do prestígio entre pares. Este artigo tenta abordar analiticamente um acontecimento
ocorrido em um trabalho de campo entre daimistas no final da década de 1980, quando incorporei uma
entidade. O artigo explora a analogia “médium-etnógrafo”, em particular abordando questões levantadas
desde uma alusão crítica à “formação” em antropologia e à experiência do que chamo “incorporação
etnográfica”. A partir de experiências como a abordada gradativamente, elaborei e comecei a conviver
com o que eu chamo de ontologia (re)flexível(va).

Biografia do Autor

Alberto Groisman, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Titular Aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina, Pesquisador do Heal-Network
for the Ethnography of Healing e da Rede Espiritualidade, Saúde, Incorporação, Etnografia (INCT )
Brasil Plural.

Referências

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind. London: Chandler publications, 1972.

BLAKE, Terence. Pluralist Flexi-Ontology (Deleuze, Lyotard, Serres, and Feyerabend). In: BOTSMAN, Peter; BURNS, Chris; HUTCHINGS, Peter (ed.). The Foreign Bodies Papers. Sydney: Local Consumption Publications, 1981. p. 55-66.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2004.

CAMARGO, Cândido P. Kardecismo e Umbanda. São Paulo: Pioneira, 1961.

CHIESA Gustavo R. A sua religião é a Antropologia: histórias e (des)caminhos de um antropólogo-aprendiz em um terreiro de Umbanda. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 215-236, 2020.

LATOUR, Bruno. An inquiry into modes of existence: an anthropology of the moderns. Cambridge, Mass.: Harvard Univ. Press, 2013.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento Selvagem. Campinas: Papirus, 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1984 [1922].

MALINOWSKI, Bronislaw. Um Diário no Sentido Estrito do Termo. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 1997.

MOREIRA, Paulo; MACRAE, Edward. Eu Venho de Longe: Mestre Irineu e seus companheiros. Salvador: EDUFBA, 2011.

PIERINI, Emily. Embodied Encounters: Ethnographic Knowledge, Emotion and Senses in the Vale do Amanhecer’s Spirit Mediumship. Journal for the Study of Religious Experience, [s.l.], n. 2, p. 25-49, 2016.

PIERINI, Emily. Jaguars of the Dawn: Spirit Mediumship in the Brazilian Vale do Amanhecer, New York; Oxford: Berghahn, 2020.

RICOEUR, Paul. A função hermenêutica do distanciamento. In: RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977. p. 43-57.

SANTOS, Graciellen de Moura. Fenômenos mediúnicos no Santo Daime: um estudo sobre o transe de incorporação na igreja daimista de Mãe Baixinha. 2016. 191p. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil, 2016.

SEGATO, Rita Laura. Um paradoxo do relativismo: o discurso racional da antropologia frente ao sagrado. Religião e Sociedade, [s.l.], n. 16, n. 1-2, p. 114-135, 1992.

VARGAS, Eduardo Viana. Antes Tarde do que nunca: Gabriel Tarde e a emergência das ciências sociais. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1996.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. O que nos faz pensar, [s.l.], v. 14, n. 18, p. 225-254, 2004.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2002.

VOSS, Ehler. A Sprout of Doubt. The Debate on the Medium’s Agency in Mediumism, Media Studies, and Anthropology. In: SCHLEHE, Judith; SANDKÜHLER, Evamaria (ed.). Religion, Tradition and Popular in Asia and Europe. Bielefeld: Transcript, 2014. p. 205-244.

Downloads

Publicado

2022-02-07

Como Citar

GROISMAN, Alberto. Incorporação Etnográfica: pesquisa, mediunidade e ontologia (re)flexível(iva). Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 68–94, 2022. DOI: 10.5007/2175-8034.2022.e80654. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/80654. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Ensino da Antropologia em contextos interdisciplinares e interculturais