"Você não morreu ainda?" - Narrativa, experência e memória a partir do massacre do Carandiru

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e81208

Palavras-chave:

Memória, Narrativa, Violência, Memorial, Massacre do Carandiru

Resumo

As narrativas de um evento de extrema violência elaboram um entendimento sobre uma experiência limite. É seguindo os fios tecidos pelas narrativas do Massacre do Carandiru, à luz da contribuição de autoras, como Veena Das (1999; 2007; 2011) e Carruthers (2011), que busco compreender as maneiras pelas quais sobreviventes do Massacre do Carandiru reconstruíram a experiência cotidiana e elaboraram memoriais sobre os mortos. Tendo como base de análise os livros Sobrevivente André Du Rap (do Massacre do Carandiru) (2001), de André Du Rap e Bruno Zeni, e Pavilhão 9 – Paixão e Morte no Carandiru (2002), de Hosmany Ramos, volumes que trazem a público narrativas do Massacre, realizou-se uma análise das narrativas produzidas a partir de uma etnografia da violência, de forma a buscar compreender os modos pelos quais foram elaboradas e os sentidos que carregam consigo, elaborando entendimentos pautados pela noção de experiência.

Biografia do Autor

Adriana Rezende Faria Taets-Silva, Universidade de São Paulo

Doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo/USP. Professora no Centro Universitário de Itajubá. Realiza pesquisas sobre narrativas, memória e violência.

Referências

BUTLER, J. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CARRUTHERS, M. A técnica do pensamento. Meditação, retórica e a construção de imagens (400-1200). São Paulo: Editora Unicamp, 2011.

DAS, V. Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. RBCS, [s.l.], v. 14, n. 40, p. 31-42, julho de 1999.

DAS, V. Life and words. Violence and the descent into the ordinary. University of California Press, Berkeley and Los Angeles, 2007.

DAS, V. O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade. Cadernos Pagu, [s.l.], v. 37, p. 9-41, julho-dezembro de 2011.

EBC, Portal. Cruzes com os nomes dos 111 mortos lembram Massacre do Carandiru. Agência Brasil, 2013.

ESTADÃO, Jornal. Blog Roldão Arruda, 2014.

FASSIN, D.; RECHTMAN, R. The empire of trauma: An Inquiry into the Condition of Victimhood. New Jersey: Princeton University Press, 2009.

GOODY, J. A domesticação da mente selvagem. Petrópolis: Vozes, 2012.

O GLOBO, Jornal. Relembre em imagens o Massacre do Carandiru, Arquivo O Globo, 2013.

POLLAK, M. A gestão do indizível. WebMosaica – Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall, [s.l.], v. 2, n. 1, p. 9-49, jan-jun, 2010.

RAMOS, H. Pavilhão 9: Paixão e Morte no Carandiru. São Paulo: Geração Editorial, 2001.

RAP, A. D.; ZENI, B. (Coord. Editorial). Sobrevivente André Du Rap: (do Massacre do Carandiru). São Paulo: Labortexto Editorial, 2002.

SELIGMANN-SILVA, M. Narrar o trauma – A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.

SOARES, G. A. Os tormentos da memória: trauma e narrativa nos escritos de Primo Lévi. Varia História, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p. 911-927, jul.-dez. 2012.

TAETS SILVA, A. R. F. Como ler um texto da prisão: tensões, conflito e interpretação na prática da escrita no cárcere. Muitas Vozes, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 325-342, 2019.

TAETS SILVA, A. R. F. Narrar de dentro, narrar de fora: memória, experiência e cotidiano a partir das narrativas do Massacre do Carandiru. Cadernos do Leeparq, [s.l.], v. XVII, n. 33, p. 7-25, jan.-jun. 2020.

THOMAS, L. V. El cadáver: de la biología a la Antropología. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 1989.

VICTORA, C.; SIQUEIRA, M. D. Na sequência da tragédia: sofrimento e a vida após o incêndio da Boate Kiss. Revista Antropolítica, Niterói, n. 44, p. 178-201, 1o sem. 2018.

Downloads

Publicado

2022-05-26

Edição

Seção

Artigos