Os lugares e as ressonâncias: música popular, sonoridades e representações do espaço no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e83436

Palavras-chave:

Música popular, Espaço, Sonoridade

Resumo

Este texto apresenta algumas inferências sobre o papel da música popular na construção de representações sobre o espaço no Brasil. Partindo de um famoso show na década de 1960, o show Opinião, o texto analisa como ideias sobre “urbano” e “rural” são debatidas musicalmente e como a música popular é uma forma central na compreensão da produção simbólica de espaços como sertão, morro, favela, periferia, entre outros.

Biografia do Autor

Allan de Paula Oliveira, Universidade Estadual do Paraná

  Professor-adjunto no Programa de Pós-Graduação em Música e do Curso de Música Popular da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Doutor em Antropologia Social (UFSC, 2009).

Referências

ARAGÃO, Paulo. Pixinguinha e a Gênese do Arranjo Musical Brasileiro (1929-1935). 2002. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

ARAÚJO, Samuel. Music and Conflict in Urban Brazil. Latin American Music Review, Austin, v. 9, n. 1, p. 50-89, 1988.

BAKHTIN, Mikhail. Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail (org.). Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BERLINER, Paul. The Soul of Mbira: music and traditions of the Shona people of Zimbabwe. Chicago: The University of Chicago Press, 1978.

BERMANN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CASTRO, Ruy. Chega de Saudade: história e histórias da Bossa Nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHANAN, Michael. Repetead Takes: a Short History of Recording and Its Effects on Music.

London: Verso, 1995.

CLIFFORD, James. Sobre o surrealismo etnográfico. In: CLIFFORD, James. A Experiência Etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2014. p. 121-162.

CUNHA, Maria Clementina Pereira da. Ecos da Folia: uma história social do carnaval carioca entre 1880 e 1920. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DARTON, Robert. Um burguês organiza seu mundo: a cidade como texto. In: O Grande Massacre dos Gatos – e outros episódios da história cultural francesa. Rio de Janeiro: Graal, 1988. p. 141-190.

DURHAN, Eunice. A Caminho da Cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1985.

FABBRI, Franco. A theory of musical genres: two applications. In: FRITH, Simon (ed.). Popular Music: critical concepts in media and cultural studies. London: Routledge, 2004. v. III: Popular Music Analysis. p. 7-35.

FONTENELE, Ana Lúcia. Pixinguinha Entre o Velho e o Novo: os arranjos para orquestra popular (1947-1954). 2018. 170p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

FRANCHESCHI, Humberto. A Casa Edison e Seu Tempo. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 2002.

FRITH, Simon. Why do songs have words? Contemporary Music Review, Reading, UK, v. 5, p. 77-96, 1989.

GARCIA, Walter. Bim Bom: a contradição sem conflitos de João Gilberto. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GEERTZ, Clifford. Deep Play: Notes on the Balinese Cockfight. In: GEERTZ, Cliford (ed.). The Interpretation of Cultures. New York: Basic Books, 1973. p. 412-454.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.

GLUCKMAN, Max. Análise de uma situação social na Zululândia Moderna In: FELDMAN- BIANCO, Bela (org.). Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo: Global, 1987. p. 227-344.

GONZÁLEZ, Juliana Pérez. A Indústria Fonográfica e a Música Caipira Gravada: uma Experiência Paulista (1878-1930). 2018.

p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

KATZ, Mark. Capturing Sound: How Technology Has Changed Music. Berkeley: University of California Press, 2010.

KRIMS, Adam. Music, Space and Place: the geography of music. In: CLAYTON, Martin; HERBERT, Trevor and MIDDLETON, Richard (ed.). The Cultural Study of Music: a critical introduction. London: Routledge, 2012. p. 140-148.

LIMA, Nísia Trindade. Um Sertão Chamado Brasil. Rio de Janeiro: Hucitec, 2013. MAGNANI, José Guilherme. Festa no Pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Brasiliense, 1984.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. The ‘Origin of Samba’ as the Invention of Brazil (Why Do Songs Have Music?). In: British Journal of Ethnomusicology, British Forum of Ethnomusicology, v. 8, p. 67-96, 1999.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. Conflito, Resignação e Irrisão na Música Popular Brasileira: um estudo antropológico sobre a Saudosa Maloca, de Adoniran Barbosa. Por que as canções têm arranjos? Ilha – Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 211-249, 2013.

MOORE, Alan. Authenticity as authentication. Popular Music, Cambridge, UK, v. 21, n. 2, p. 209-223, 2002.

MORAES LEITE, Lígia Chiappini. Velha Praga? Regionalismo Literário Brasileiro. In: PIZARRO, Ana (org.). América Latina: Palavra, Literatura e Cultura. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1994. v. 2: A Emancipação do Discurso. p. 665-702.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1983.

MUKUMA, Kazadi wa. Contribuição Bantu na Música Popular Brasileira: perspectivas etnomusicológicas. São Paulo: Terceira Margem, 2006.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a Canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume; FAPESP, 1999.

NAPOLITANO, Marcos. Rio, Zona Norte (1957) de Nelson Pereira dos Santos: a música popular como representação de um impasse cultural. Per Musi, Belo Horizonte, n. 29, p. 75-85, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. A Síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

OLIVEIRA, Allan de Paula. O Ouvido Dançante: música popular entre swings e cangotes. El Oído Pensante, Buenos Aires, v. 3, n. 2, 2015. Disponível em: http://revistascientificas.filo. uba.ar/index.php/oidopensante/article/view/7460. Acesso em: 9 maio 2021.

OLIVEIRA, Francisco de. Nordeste: a invenção pela música. In: CAVALCANTE, Berenice; STARLING, Heloísa; EISENBERG, José (org.). Decantando a República: Inventário Histórico e Político da Canção Popular Moderna Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. v. 3: A Cidade Não Mora Mais em Mim. p. 123-138.

OPINIÃO. Show Opinião. Rio de Janeiro: Edições do Val, 1965.

PERES, Leonardo. Com Respeito aos 8 Baixos: um estudo etnomusicológico sobre o estilo nordestino da sanfona de 8 baixos. 2011. 212p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Música, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

PETERSON, Richard. La fabrication de l’authenticité. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, v. 93, p. 3-20, 1992.

REILY, Suzel Ana. Musica Sertaneja and Migrant Identity: the stylistic development of a Brazilian Culture. Popular Music, Cambridge, v. 11, n. 3, p. 337-358, 1992.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução – do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

ROSE, Tricia. Um estilo que ninguém segura: política, estilo e a cidade pós-industrial no hip- hop In: HERSCHMANN, Micael (org.). Abalando os anos 90: Funk e Hip-Hop – globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 190-212.

SANDRONI, Carlos. Feitiço Decente: transformações do samba no Rio de Janeiro (1917- 1933). Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SEVCENKO, Nicolau. A capital radiante: técnicas, ritmos e ritos do Rio. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 3: República – Da Belle Époque à Era do Rádio. p. 513-619.

SHAW, Lisa. Tropical Travels: Brazilian Popular Performance, Transnational Encounters and the Construction of Race. Austin: University of Texas Press, 2018.

SOUZA, Miliandre Garcia de. Do Arena ao CPC: o debate em torno da arte engajada no Brasil (1959-1964). 2002. 228p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

SOUZA, Miliandre Garcia de. Show Opinião: quando a MPB entra em cena (1964-1965). História, São Paulo, v. 37, 2018.

STOKES, Martin. Introduction: ethnicity, identity and music In: STOKES, Martin (ed.). Ethnicity, Identity and Music: the musical construction of place. Oxford: Berg, 1997. p. 1-27.

STRAW, Will. Cultural Scenes. In: Society & Leisure, Saint-Foy, v. 27, n. 2, p. 411-422, 2004. STROUD, Sean. ‘Música é para o povo cantar’: Culture, Politics and Brazilian Song Festivals - 1965-1972. Latin American Music Review, Austin, v. 21, n.2, p. 87-117, 2000.

TATIT, Luiz. Elementos para a análise da canção popular. Cadernos de Semiótica Aplicada, Araraquara, v. 1, n. 2, p. 7-24, 2013.

TRAVASSOS, Elizabeth. “Nostalgia, sátira, celebração: sobre modos de cantar a roça e o sertão” In: STARLING, Heloísa; MARTINS, Bruno (org.). Imaginação da Terra: memória e utopia na moderna canção popular brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. p. 15-44.

TROTTA, Felipe. O Samba e Suas Fronteiras: “pagode romântico” e “samba de raiz” nos anos 1990. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2011.

VALLADARES, Licia. A Invenção da Favela: do mito de origem à favela.com. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

VELHO, Gilberto. Biografia, Trajetória e Mediação. In: VELHO, Gilberto; KUSCHNIR, Karina (org.). Mediação, Cultura e Política. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001. p. 15-28.

YUDICE, George. A funkficação do Rio. In: YUDICE, George. A Conveniência da Cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013. p. 175-205.

Downloads

Publicado

2022-09-19

Edição

Seção

Artigos