"Me sinto outra pessoa": testemunhos de transformação via modulação hormonal bioidêntica

Autores

  • Fabíola Rohden UFRGS
  • Camila Silveira Cavalheiro UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2023.e85477

Palavras-chave:

Hormônios, Aprimoramento, Investimento pessoal, Redes sociais, Biomedicalização

Resumo

Este artigo analisa as configurac?o?es em torno da chamada modulac?a?o hormonal bioide?ntica tal como aparecem em grupos de redes sociais destinados a discutir tais produtos e seus possi?veis benefi?cios. Em particular, por meio do acompanhamento de um grupo no Facebook, investigamos como se produzem discursos pu?blicos centrados na valorizac?a?o dos hormo?nios bioide?nticos como forma de gerenciamento da condic?a?o de sau?de e bem-estar. Esses discursos podem ser entendidos como testemunhos de um processo de investimento e de transformac?a?o pessoal. Nossa proposta interpretativa se ancora na ideia de que esse exemplo etnogra?fico e? ilustrativo de um processo de conexa?o entre mudanc?as corporais e subjetivas diretamente relacionadas a? disponibilidade e ao uso de

Biografia do Autor

Fabíola Rohden, UFRGS

Professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social e do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisadora do CNPq e do Núcleo de Antropologia do Corpo e da Saúde (NUPACS/UFRGS). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Ciências na Vida (CNPq/UFRGS). Realizou Mestrado e Doutorado em Antropologia Social na UFRJ (PPGAS/Museu Nacional) e Pós-doutorado na Universidade Livre de Amsterdã.

Camila Silveira Cavalheiro, UFRGS

Mestranda em Antropologia Social no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS)
da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharela em Ciências Sociais pela mesma instituição. Técnica em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). Integra o grupo de pesquisa Ciências na vida (CNPq/UFRGS).

Referências

AKRICH, Madeleine. The de-scription of technical objects. In: BIJKER, Wiebe; LAW, John (org.). Shaping Technology Building Society: Studies in Sociotechnical Change. Cambridge: MIT Press, 1992. p. 205-224.

AZIZE, Rogério Lopes. A química da qualidade de vida: um olhar antropológico sobre o uso de medicamentos em classes médias urbanas brasileiras. 2004. 118p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

CLARKE, Adele et al. (ed.). Biomedicalization: Technoscience and transformations of health and illness in the U.S. Durham: Duke University Press, 2010.

CONRAD, Peter. Medicalization of society: on the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimor. The Johns Hopkins University Press, 2007.

CFM – CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. A falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento. Processo-consulta CFM n. 4.690/11 – Parecer CFM n. 29/12, 13 de julho de 2012a.

CFM – CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. A falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento. Resolução CFM n. 1.999 de 27/09/2012. Publicada no DOU, Seção 1, p. 139, 19 de outubro de 2012b.

DULLO, Eduardo; DUARTE, Luiz Fernando Dias. Introdução. Religião e Sociedade, [s.l.], v. 36, p. 12-18, 2016.

DUMIT, Joseph. Drugs for life: how pharmaceutical companies define our health. Durham: Duke University Press, 2012.

EDMONDS, Alexander; SANABRIA, Emilia. Entre saúde e aprimoramento: a engenharia do corpo por meio de cirurgias plásticas e terapias hormonais no Brasil. Hist. Cienc. Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 193-210, mar. 2016.

FARO, Livi; RUSSO, Jane. Testosterona, desejo sexual e conflito de interesse: periódicos biomédicos como espaços privilegiados de expansão do mercado de medicamentos. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 23, n. 47, 2017.

HARDON, Anita; SANABRIA, Emilia. Fluid Drugs: Revisiting the Anthropology of Pharmaceuticals. Annu. Rev. Anthropol, [s.l.], v. 46, p. 117-132, 2017.

JASANOFF, Sheila (ed.). States of knowledge: the co-production of science and the social order. Reino Unido: Routledge, 2004.

JORDAN-YOUNG, Rebecca; KARKAZIS, Katrina. Testosterone: an unauthorized biography. Cambridge: Harvard University Press, 2019.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba, 2012.

LATOUR, Bruno. How to talk about the body? The normative dimension of science studies. Body & Society, [s.l.], v. 10, n. 2-3, p. 205-229, 2004.

MANICA, Daniela; NUCCI, Marina. Sob a pele: implantes subcutâneos, hormônios e gênero. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 23, n. 47, p. 93-129, 2017.

OUDSHOORN, Nelly. Beyond the natural body: an archeology of sex hormones. London: Routledge, 1994.

PIGNARRE, Philippe. O que é o medicamento? Um objeto estranho entre ciência, mercado e sociedade. São Paulo: Editora 34, 1999.

ROBERTS, Celia. Messengers of Sex. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

ROHDEN, Fabíola. Considerações teórico-metodológicas sobre objetos instáveis e ausências presentes: analisando processos de materizalização do desejo feminino. In: SEGATA, Jean; RIFIOTIS, Theophilos (org.). Políticas etnográficas no campo da ciência e das tecnologias da vida. Porto Alegre: UFRGS; ABA, 2018. p. 135-158.

ROHDEN, Fabíola. O império dos hormônios e a construção da diferença entre os sexos. História, Ciências e Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 133-152, jun. 2008.

ROHDEN, Fabíola. ‘Os hormônios de salvam de tudo’: produção de subjetividades e transformações corporais com o uso de recursos biomédicos. Mana, Rio de Janeiro, v. 24, p. 199-229, 2018.

ROHDEN, Fabíola; ALZUGUIR, Fernanda. Desvendando sexos, produzindo gêneros e medicamentos: a promoção das descobertas científicas em torno da ocitocina. Cadernos Pagu, [s.l.], v. 48, p. 1-45, 2016.

ROSE, Nikolas. The politics of life itself: biomedicine, power and subjectivity in the twenty- łrst century. Princeton & Oxford: Princeton University Press, 2007.

ROUGEMONT, Fernanda dos Reis. O tempo no corpo: envelhecimento e longevidade na perspectiva anti-aging. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 23, n. 1 e 2, p. 36-61, 2017.

ROUGEMONT, Fernanda dos Reis. Medicina Anti-aging no Brasil: uma análise antropológica das transformações na abordagem médica do envelhecimento. 2018. 317p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, 2018.

SANABRIA, Emilia. Plastic Bodies: Sex, Hormones and Menstrual Suppression in Brazil. Durham: Duke University Press, 2016.

TEIXEIRA, Cesar Pinheiro. Testemunho e a produção de valor moral: observações etnográficas sobre um centro de recuperação evangélico. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 36, v. 2, p. 107-134, 2016.

TRAMONTANO, Lucas. A fixação e a transitoriedade do gênero molecular. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 23, n. 47, p. 163-189, 2017.

VAN DER GEEST, Sjaak; WHYTE, Susan; HARDON, Anita. Anthropology of Pharmaceuticals: a biographical approach. Annu. Rev. Anthropol, [s.l.], v. 25, p. 153-178, 1996.

VARGAS, Eduardo. Fármacos e outros objetos sócio-técnicos: notas para uma genealogia das drogas. In. LABATE, Beatriz Caiuby et al. (org.). Drogas e Cultura: novas perspectivas. Salvador: UdUFBA, 2008. p. 41-63.

WILLIAMS, Simon J.; MARTIN, Paul; GABE, Jonathan. The pharmaceuticalisation of society? A framework for analysis. Sociology of Health & Illness, [s.l.], v. 33, n. 5, p. 710-725, 2011.

Downloads

Publicado

2023-01-19

Como Citar

ROHDEN, Fabíola; CAVALHEIRO, Camila Silveira. "Me sinto outra pessoa": testemunhos de transformação via modulação hormonal bioidêntica. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 199–217, 2023. DOI: 10.5007/2175-8034.2023.e85477. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/85477. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Antropologias a partir dos medicamentos: co-produções, políticas e agenciamentos