Broscience: Uma análise sobre o consumo de medicamentos entre fisiculturistas

Autores

  • Gabriel Salgado Ribeiro de Sá Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2023.e85670

Palavras-chave:

Antropologia dos medicamentos, Fisiculturismo, Drogas, Risco

Resumo

Por meio de uma perspectiva socioantropolo?gica, discutimos um tipo de conhecimento experimental presente na pra?tica de consumo de medicamentos por fisiculturistas. Fruto de uma etnografia com atletas e outros praticantes de musculac?a?o, articulamos como a construc?a?o corporal caminha de modo concomitante a? construc?a?o da pessoa por meio da dimensa?o do estilo de vida. A partir desta abordagem, discutimos como os medicamentos sa?o protagonistas nesse contexto, como produzem sociabilidades, ajudam a conformar percepc?o?es em torno dos efeitos colaterais, criam linguagens pro?prias, induzem ou alteram relac?o?es de confianc?a, agenciam noc?o?es de risco, entre outros aspectos importantes ao dia?logo entre antropologia da sau?de e da cie?ncia.

Biografia do Autor

Gabriel Salgado Ribeiro de Sá, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestre e Bacharel em Ciências Sociais pela mesma instituição. Pesquisador do LAPS (Laboratório de Pesquisas Antropológicas em Política e Saúde).

Referências

ALMEIDA, Maria; EUGÊNIO, Fernanda. Paisagens existenciais e alquimias pragmáticas: uma reflexão comparativa do recurso às drogas no contexto da contracultura e nas cenas eletrônicas contemporâneas. In: ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de; NAVES, Santuza Cambraia (org.). Por que não? Rupturas e Continuidades da Contracultura. 1. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007. v. 1. p. 155-200.

AZIZE, Rogério. A química da qualidade de vida: um olhar antropológico sobre o uso de medicamentos e saúde em classes médias urbanas brasileiras. 2002. 118p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

AZIZE, Rogerio Lopes. Uma neuro-weltanschauung? Fisicalismo e subjetividade na divulgação de doenças e medicamentos do cérebro. Mana, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 7-30, 2008.

BUNSELL, Tanya. Strong and Hard Women: an ethnography of female bodybuilding. 1. ed. [S.l.]: Routledge, 2013.

CONNEL, R. W. Masculinities. 2. ed. California, EUA: University of California Press, 1995.

CONNOR, James; WOOLF, Jules; MAZANOV, Jason. Would they dope? Revisiting the Goldman dilemma. British Journal of Sports Medicine, [s.l.], v. 47, n. 11, p. 697-700, jan. 2013.

DE RONDE, W.; SMIT, D. L. Anabolic androgenic steroid abuse in young males. Endocr Connect, [s.l.], v. 9, n. 4, p. 102-110, 2020.

DOUGLAS, Mary. Natural symbols: explorations in cosmology. London: Barrie & Rockliff, 1970.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. O império dos sentidos: sensibilidade, sensualidade e sexualidade na cultura ocidental moderna. In: HEILBORN, M. L. (org.). Sexualidade: o olhar das ciências sociais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. p. 21-30.

HARAWAY, Donna. Staying with the Trouble: Making kin in the Cthulhucene. Durhan; Londres: Duke University Press, 2016.

HARTGENS, F.; KUIPER, H. Effects of androgenic-anabolic steroids in athletes. Sports Med., [s.l.], v. 34, n. 8, p. 513-554, 2004.

HEDBLOM, Christina. “The Body is Made to Move”: Gym and Fitness Culture in Sweden. Stockholm: Acta Universitatis Stockholmiensis, 2009.

JENKINS, Janis. Pharmaceutical Self: The Global Shaping of Experience in an Age of Psychopharmacology. [S.l.]: Janis H. Jenkins; Santa Fe: SAR Press, 2010. 256p.

KRASKA, Peter; BUSSARD, Charles; BRENT, John. Trafficking in Bodily Perfection: Examining the Late-Modern Steroid Marketplace and Its Criminalization, Justice Quarterly, [s.l.], v. 27, n. 2, p. 159-185, 2010.

LE BRETON, David. Adeus ao corpo. São Paulo: Editora Papirus, 2018.

LIOKAFTOS, Dimitris. A Genealogy of male bodybuilding: From Classical to Freaky. Routledge Research in Sport, Culture and Society, [s.l.], 2017.

MARTIN, Emily. The Pharmaceutical Person. Biosocieties, [s.l.], v. 1, n. 3, p.273-287, set. 2006. Springer Science and Business Media LLC.

MONAGHAN, Lee. Creating “The Perfect Body”: a Variable Project. Body & Society, [s.l.], v. 5, n. 2-3, p. 267-290, 1999.

MONAGHAN, Lee. Bodybuilding, drugs and Risk. London: Routledge. 2002.

MORAES, Danielle et al. A incrível fábrica de hormônios, receitas e moralização: notas sobre os esteróides anabolizantes androgênicos. In: NEVES, Ednalva Maciel; LONGHI, Marcia Reis; FRANCH, Mónica (org.). Antropologia da Saúde: Ensaios em Políticas da Vida e Cidadania. 1. ed. Brasília, DF; João Pessoa: ABA Publicações; Mídia Gráfica e Editora, 2018. p. 295-327.

PERUSSI, Artur. Sofrimento psíquico, individualismo e uso de psicotrópicos: Saúde mental e individualidade contemporânea. Tempo Social, [on-line], v. 27, n. 1, p. 139-159, 2015.

ROHDEN; Fabíola; PUSSETTI, Chiara; ROCA, Alejandra. Introdução. In: HERNAIZ, Roca; ROSARIO, Alejandra (org.). Biotecnologias, transformações corporais e subjetivas: saberes, práticas e desigualdades. Brasília, DF: ABA Publicações, 2021. 362p. p. 7-25.

ROHDEN, Fabíola; CAVALHEIRO, Camila. Esculpindo corpos e criando normalidades: as cirurgias estéticas íntimas na produção científica da cirurgia plástica. In: ROHDEN, Fabíola; PUSSETTI, Chiara; ROCA, Alejandra. (org.). Biotecnologias, transformações corporais e subjetivas: saberes, práticas e desigualdades. 1. ed. Brasília, DF: ABA Publicações, 2021. v. 1, p. 183-214.

SALGADO, Gabriel. Corpo e Excelência: uma etnografia sobre práticas de Self-Enhancement e intensidade no bodybuilding. 2021. 200p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2021.

SAUTCHUK, Carlos Emanuel. A medida da gordura: o interno e o íntimo na academia de ginástica. Mana, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 181-205, abr. 2007. FapUNIFESP (SciELO).

UNDERWOOD, Mair. Exploring the social lives of image and performance enhancing drugs: an online ethnography of the Zyzz fandom of recreational bodybuilders. International Journal of Drug Policy, School of Social Science, The University of Queensland, Brisbane, Australia, v. 39, p. 78-85, 2017.

VAN DER GEEST, S. et al. The Anthropology of pharmaceuticals: a Biographical approach. Annual Review of Anthropology, [s.l.], v. 25, p. 153-178, 1996.

WHYTE, Susan, Geest, S.; HARDON, Anita. Social lives of medicines. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2002.

Downloads

Publicado

2023-01-19

Como Citar

SÁ, Gabriel Salgado Ribeiro de. Broscience: Uma análise sobre o consumo de medicamentos entre fisiculturistas. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 178–198, 2023. DOI: 10.5007/2175-8034.2023.e85670. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/85670. Acesso em: 20 fev. 2024.

Edição

Seção

Antropologias a partir dos medicamentos: co-produções, políticas e agenciamentos