O hipertexto e o estranho: causas e efeitos

Everton Vinicius de Santa

Resumo


Segundo Barthes, o texto ideal é aquele que se apresenta em redes múltiplas e que se entrelaça, sem comprometer sua estrutura. Redes ou nós que fazem com que esse texto ofereça um universo de significantes e significados, ou seja, não tem início, é reversível, possui diversas entradas e isso se choca com a noção tradicional de práticas de leitura e escrita linear. Nesse sentido, nosso objetivo é demonstrar como o hipertexto causa "estranheza" partindo do conceito de “estranho” apontado por Freud em seu artigo Das Unheimlich (1919), a fim de que possamos compreender como essa relação obra/leitor vem sendo alterada e provocando sensações de dinamicidade distintas da inércia do papel, como observamos em O Jogo da Amarelinha (1963), de Julio Cortázar, e em textos de temática fantástica, como em E.T.A. Hoffmann e Edgar Allan Poe, não no sentido do assustador, mas do provocativo, do foregrounding que gera causas e efeitos significantes nas práticas literárias digitais conectadas ao ciberespaço.

 

 


Palavras-chave


Hipertexto; Foregrounding; Das Unheimlich

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2010v15n1p110

Direitos autorais 2010 Everton Vinicius de Santa

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.