Origem

Artur de Vargas Giorgi

Resumo


Este ensaio tensiona o conceito “origem”, sua manifestação através de enigmas e sua relação com as técnicas de reprodução. Contrariamente à crítica hegemônica dos objetos estéticos e culturais – crítica que, pautada na aparência e em noções de identidade, tradição, cânone, etc., desvaloriza as reproduções dos “originais” –, o intuito é liberar tais objetos dos dispositivos de hierarquização formal, isto é, liberá-los do que se impõe ideal e positivamente, para que em cada ocorrência a reprodutibilidade seja potencializada como produtora de singularidades, de aparições. O esforço é o de manter a indecidibilidade dos enigmas (corpos, textos, imagens) em que a origem se manifesta, para que a lógica do espetáculo seja revertida em abertura de sentido, instância em que a estética se torna um fazer diante da complexidade contemporânea. Com a reprodutibilidade, uma origem sobrevive em cada um que passa: continuamente restaurada, mas incompleta, ela é passagem, presente em vestígio, em ausência.

 

 


Palavras-chave


Origem; Reprodutibilidade; Vestígio

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2011v16n1p186

Direitos autorais 2011 Artur de Vargas Giorgi

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.