O global e o insular: a dimensão do espaço em Sardinia Blues

Autores

  • Ana Maria Chiarini UFMG
  • Diego Silveira Coelho Ferreira UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2010v15n2p199

Palavras-chave:

Espaço, Globalização, Literatura italiana contemporânea

Resumo

Este trabalho se propõe a analisar o romance Sardinia Blues, de Flavio Soriga (Bompiani,2008), a partir do foco no espaço, perspectiva esta que se justifica pela centralidade da dimensão espacial na obra desde o próprio título. A Sardenha do romance apresenta-se não apenas como cenário, mas como fio condutor e articulador de temáticas que dizem respeito à própria condição identitária e existencial dos personagens. As relações com o espaço regional sardo, percebido como folclorizado e estereotipado, e as relações com o espaço global, ao mesmo tempo fonte de medo e desejo, são problematizadas durante as longas horas de ócio de três jovens, que se autodenominam "piratas" da ilha. Pretendemos evidenciar os conflitos dessa condição insular marginal, mas fortemente contaminada por um inevitável processo de mudança, que se configura no texto fragmentado de Soriga, repleto de citações musicais e híbrido de várias línguas, tanto inovador quanto nostálgico.

Biografia do Autor

Ana Maria Chiarini, UFMG

Área de Língua Italiana, Faculdade de Letras

Diego Silveira Coelho Ferreira, UFMG

Graduando Ciências Sociais

Downloads

Publicado

2010-11-29

Como Citar

CHIARINI, A. M.; COELHO FERREIRA, D. S. O global e o insular: a dimensão do espaço em Sardinia Blues. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 199-206, 2010. DOI: 10.5007/2175-7917.2010v15n2p199. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2010v15n2p199. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Ensaios