A figura feminina e o estereótipo da maldade: o exemplo de "La Corriveau"

Autores

  • Mauren Pavao Przybylski UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2010v15n2p78

Palavras-chave:

Representação, Lenda, Identidade feminina

Resumo

Marie Josephte Corriveau, conhecida como “La Corriveau”, foi, segundo o etnólogo Luc Lacourcière, a mulher que carregou a pior reputação da história canadense e, mesmo tendo morrido há mais de dois séculos, ela continua, como um fantasma, alimentando o imaginário de seu povo. A Corriveau foi condenada à morte pelo assassinato de seu segundo marido, embora a lenda conte que ela teria matado sete. A partir da análise dessas representações femininas, o presente estudo pretende demonstrar como esses seres ficcionais tiveram influência na reputação da mulher e na constituição da identidade feminina.

Biografia do Autor

Mauren Pavao Przybylski, UFRGS

Doutoranda em Literaturas Portuguesa e Luso-Africanas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob orientação da Professora Drª Ana Lúcia Tettamanzy. Membro do Projeto "A Vida Reinventada: pressupostos teóricos para análise e criação de acervo de narrativas orais" coordenado pela mesma professora. Mestre em Letras - área de concentração Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) sob orientação da professora Drª Simone Schmidt.

Downloads

Publicado

2010-11-29

Como Citar

PRZYBYLSKI, M. P. A figura feminina e o estereótipo da maldade: o exemplo de "La Corriveau". Anuário de Literatura, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 78-94, 2010. DOI: 10.5007/2175-7917.2010v15n2p78. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2010v15n2p78. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos