A palavra de impossível repouso: Pasolini e o olho-câmara de Murilo Mendes

Autores

  • Bárbara Nayla Piñeiro Pessôa Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2012v17n1p108

Palavras-chave:

Murilo Mendes, Pier Paolo Pasolini, cinema, colagem

Resumo

Mais que uma teoria sobre o cinema, o cineasta Pier Paolo Pasolini nos deixou uma teoria sobre a linguagem e sua relação com o real. O cinema aparece como o disparador de uma pesquisa filosófica sobre as possibilidades da linguagem verbal em sua encruzilhada entre o conceitual e o material, entre sua historicidade e a utópica ânsia poética do alvorecer de um novo sentido ou, mais além, o trabalho com a impossibilidade do sentido. Ao estabelecer laços de diálogo entre a teoria do cinema de Pasolini e a poética de Murilo Mendes, pretendemos pensar aqui sobre a exigência poética do despojamento dos sentidos e o tratamento de corte e subtração conceitual dirigidos à palavra. A proposta de Pasolini teoriza sobre o cinema, mas é, sobretudo, uma teoria da linguagem, um confronto entre as possibilidades da literatura e do cinema. Nesta perspectiva, sua teoria nos ajuda a lançar um outro olhar ao trabalho poético de Murilo Mendes, interessado na palavra ativada por um olho-câmera, um olho capaz de descamar o real e a materialidade da palavra, num processo de subtração que ambiciona o permanente deslocamento de sentido, a palavra de impossível repouso.

Biografia do Autor

Bárbara Nayla Piñeiro Pessôa, Universidade Federal Fluminense

Licenciada em Língua Espanhola e Literatura Correspondente pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2008) e Língua Portuguesa e Literatura Correspondente (2007) pela mesma universidade. Foi bolsista de Iniciação Científica e monitora do Departamento de Espanhol da Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestre em Estudos Literários Literaturas Hispânicas do programa de pós-graduação da Universidade Federal Fluminense (2010) com apoio do Cnpq. Especialista em Tradução em Espanhol/ Português na Universidade Gama Filho (2011). Atualmente cursa Doutorado em Literatura Comparada na Universidade Federal Fluminense e é bolsista do Cnpq.

Downloads

Publicado

2012-05-23

Como Citar

PESSÔA, B. N. P. A palavra de impossível repouso: Pasolini e o olho-câmara de Murilo Mendes. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 108-121, 2012. DOI: 10.5007/2175-7917.2012v17n1p108. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2012v17n1p108. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Seção Temática: Literatura e Cinema