Curadoria e livro de artista: caminhos para uma leitura de Valêncio Xavier

Edma Cristina Alencar de Gois

Resumo


O ready-made, para Marcel Duchamp, refere-se a um objeto usual promovido a objeto de arte pela escolha deliberada do artista. O conceito, trabalhado pelo artista em texto de 1961, espera, mais que descrever um objeto, sugerir ao espectador uma experiência cerebral diante do artefato artístico. Em Minha mãe morrendo e o menino mentido (2001) vários signos de diferentes campos (tais como literatura, artes visuais, publicidade e jornalismo) circulam e são articulados a partir de um princípio de montagem, o que favorece a leitura da obra como um livro de artista, sendo o próprio autor, o curador da obra. A ideia de ready-made em consonância com a negação das formas puras pela modernidade e os limites entre as linguagens convergem na análise do livro de Valêncio Xavier (1933-2008). Neste artigo analisamos as aproximações e os distanciamentos entre imagem e texto na referida obra. Para tanto, os trabalhos de Dias (2014, 2006), Gandier (2013), Garramuño (2014) e Silveira (2008) ajudam a pensar a obra analisada a partir dos conceitos de curadoria e livro de artista, formato em que diversos campos artísticos, para além do literário, são mobilizados na produção literária contemporânea.

Palavras-chave


Livro de artista; Curadoria; Literatura brasileira contemporânea; Valêncio Xavier

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2018v23n1p65

Direitos autorais 2018 Edma Cristina Alencar de Gois

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.