O espaço que somos: as relações entre a favela e a construção da subjetividade em <i>Becos da memória</i>, de Conceição Evaristo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2019v24n1p160

Resumo

O presente trabalho visa analisar aspectos referentes ao espaço na obra Becos da Memória (2017), da autora Conceição Evaristo. Entende-se aqui que a favela, lugar em que o romance é ambientado, ocupa papel de fundamental importância na construção de tal narrativa, agindo na representação das personagens negras na escrita de Evaristo. Esse espaço-favela é lugar tanto de pertencimento quanto de trânsito dos indivíduos, reforçando a ideia de que os espaços por onde os sujeitos passam são organizados tendo como base suas experiências e trocas com o seu corpo. Nesse sentido, ao dar voz ao “espaço-favela” faz-se o movimento de descentralização, retirando o véu que cobriu os sujeitos marginalizados, dando, assim, voz às diferenças. Tais reflexões serão realizadas a partir de apontamentos de importantes teóricos como Luis Alberto Brandão (2013) e Paul Ricoeur (2003) que pensam o espaço como elemento de uma história, fundamento de caráter inseparável ao indivíduo narrado.

Biografia do Autor

Ariane Avila Neto de Farias, Universidade Federal do Rio Grande

Doutoranda em Letras, na área de História da Literatura da Universidade Federal de Rio Grande (FURG). Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Pampa (2011) e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (2017). Atualmente é técnica em educação da Universidade Federal do Pampa. Tem experiência na área de Literatura, Poesia, Gênero, Literatura Brasileira Contemporânea.

Lilian Greice dos Santos Ortiz da Silveira, Universidade Federal do Rio Grande

Doutoranda em História da literatura pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e bolsista Capes. Mestra em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Graduada no curso de Licenciatura em Letras - habilitação em Português-Inglês e respectivas literaturas (2014) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BRANDÃO, Luis Alberto. Teorias do espaço literário. Belo Horizonte: Perspectiva, 2013.

CALLAI, Copetti Helena. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANI, Antônio Carlos (Org). Ensino de Geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 7. ed. 2009. p. 83- 134.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Posfácio: costurando uma colcha de memória. In: EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

FOUCAULT, Michel. Space, knowledge and power. In: RABINOW, Paul. The Foucault Reader. London: Penguin Book, 1984.

FOUCAULT, Michel. De espaços outros. Revista Estudo Avançados, v.27, n.79, São Paulo, 2013. p. 10-15.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

LODGE, David. A arte da ficção. Tradução de Guilherme da Silva Braga. Porto Alegre: L&PM, 2011.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

SCHMIDT, Simone Pereira. Posfácio: a força das palavras, da memória e da narrativa. In: EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

Downloads

Publicado

2019-08-26

Como Citar

FARIAS, Ariane Avila Neto de; SILVEIRA, Lilian Greice dos Santos Ortiz da. O espaço que somos: as relações entre a favela e a construção da subjetividade em <i>Becos da memória</i>, de Conceição Evaristo. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 160–172, 2019. DOI: 10.5007/2175-7917.2019v24n1p160. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2019v24n1p160. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Representações afro-brasileiras: uma homenagem a Conceição Evaristo