“Tudo o que fizemos foi tomar a BR-116...”: a estrada queer de "Todos nós adorávamos caubóis"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p53

Resumo

O presente artigo tem como objetivo debater acerca do sistema sexo-gênero e da centralidade dos modelos hegemônicos de relações afetuosas no campo da sexualidade a partir do romance de Carol Bensimon, Todos nós adorávamos caubóis, de 2013. A escritora apresenta em sua narrativa duas mulheres protagonistas em uma road novel peculiar, na qual as personagens vagam como forasteiras na própria terra onde nasceram, tentando compreender suas identidades tanto individuais quanto no relacionamento conflitante entre as duas. O estudo possui como norte teórico a pesquisa de Regina Dalcastagnè (2005) a respeito da personagem do romance brasileiro contemporâneo como sintoma da não democratização do fazer literário e a Teoria Queer que se estabelece como uma categoria epistemológica ao dialogar com os estudos literários e com os mecanismos de exclusão das relações de poder frente às diversas manifestações da sexualidade. Portanto, textos de Adrienne Rich (2010), Teresa de Lauretis (1994) e Judith Butler (2000; 2016) são suporte para o entendimento dos efeitos das diversas tecnologias sociais que controlam o comportamento de gênero e da heteronormatividade como regulação do desejo nos interiores da sociedade e do texto literário.

Biografia do Autor

Antônio Augusto do Canto Lopes Filho, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Licenciatura Plena em Letras Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Pará - UEPA (2015). Mestre em Estudos Literários na linha de pesquisa Interpretação, Circulação e Recepção pela Universidade Federal do Pará - UFPA (2017). Doutorando em Literatura na linha de pesquisa Poesia e Aisthesis pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Seus estudos concentram-se na área da poesia brasileira moderna e contemporânea.

Referências

BENSIMON, Carol. Mulheres que Escrevem entrevista: Carol Bensimon. [Entrevista concedida a] Mulheres que Escrevem. Medium. [S.l.], 30 mar. 2018.

BENSIMON, Carol. Todos nós adorávamos caubóis. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2000. p. 151-175.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero – feminismo e subversão de identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

DALCASTAGNÈ, Regina. “A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, jul./dez. 2005.

DEFILIPPO, Juliana Gervason. Cíntia Moscovich e Carol Bensimon: a personagem homossexual feminina na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 49, p. 275-287, set./dez. 2016.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade I – a vontade de saber. Trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2018.

FERNÁNDEZ, Helena González. Romance de estrada: memória afetiva e sexualidade em Carol Bensimon. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 50, p. 84-101, jan./abr. 2017.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. Trad. de Susana Bornéo Funck. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Trad. de Carlos Guilherme do Valle. Revista Bagoas. n. 5, p. 17-44, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

LOPES FILHO, Antônio Augusto do Canto. “Tudo o que fizemos foi tomar a BR-116...”: a estrada queer de "Todos nós adorávamos caubóis". Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 53–66, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n1p53. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n1p53. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"