“Vocês estão sozinhas?” A resposta está na pergunta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p77

Resumo

As narrativas onde apareciam personagens lésbicas na literatura brasileira, até recentemente, eram quase que exclusivamente de autoria de escritores e na maioria delas traziam estereótipos que reproduziam os elementos do heterocentrismo e androcentrismo fazendo com que a manutenção de uma imagem estereotipada da lésbica se perpetuasse no ambiente social. Este texto é resultado de uma leitura e posterior análise do conto “Duas mulheres sozinhas” de Diedra Roiz (2017) que faz parte da coletânea de contos “Incontadas- Aquelas que não podem falar dizendo o que não deve ser dito” lançada pela Editora Vira Letra em 2017, com o objetivo localizar no decorrer da narrativa as ocorrências evidenciando os conceitos de performatividade de Judith Butler (2013a), tecnologia de gênero de Teresa de Lauretis (1994), heteronormatividade compulsória de Adrienne Rich (2010) e epistemologia do armário de Eve Kosofsky Sedgwick (2007) e de como estas ocorrências influenciam na experiência individual de cada personagem do conto fazendo um paralelo do desenrolar das cenas com as teorias apresentadas como corpus teórico. 

Biografia do Autor

Eliane Santos da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003). Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1015) Especialista em Educação Ambiental/Modalidade magistério superior pela Unidavi. Especialista em Gestão de Recursos Hídricos em áreas urbanas pela UFSC. Mestranda no Programa de Pós-graduação em Literatura da UFSC. 

Rosana Cássia dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Associada da Universidade Federal de Santa Catarina, na área de Literatura. Coordenadora do GT da Anpoll A Mulher na Literatura, no biênio 2014-2016. Integrante do Grupo de Pesquisa do Instituto de Estudos de Gênero - IEG/UFSC. Integrante da Editoria de Artigos da Revista Estudos Feministas - REF. Coordenadora do Núcleo Literatual. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013a.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: Sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013b, p. 151-172.

DALCASTAGNÈ, Regina. Representações restritas: a mulher no romance brasileiro contemporâneo. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (Orgs.). Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. Vinhedo: Horizonte, 2010. p. 40-64.

LAURETIS. Teresa de. A tecnologia de gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: estudos gays: gêneros e sexualidades, Natal, v. 4, n. 5, p. 17-44, jan./jun. 2010.

ROIZ, Diedra. Duas mulheres sozinhas. In: NEVES, Manuela; ROIZ, Diedra (Orgs.). [in]contadas – Aquelas que não podem falar dizendo o que não deve ser dito. Franca: Editora Vira Letra, 2017, p. 73-76.

SANTOS. Claudiana Gois dos. A bruta flor do Querer: performance e heteronormatividade na representação da personagens lésbicas. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Trad. de Plinio Dentzien. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, jan./jun. 2007.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Translator’s Preface. In: DERRIDA, Jacques. Of Grammatology. Trand. de Gayatri Chakravorty Spivak. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1998, p. ix- lxxxvii.

WITTIG, Monique. Não se nasce mulher. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro. Bazar do tempo, 2019, p. 82-92.

MUZART, Zahidé Lupinacci (Org.). Escritoras Brasileiras do Século XIX. Antologia. Florianópolis: Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004. 2. v.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

SILVA, Eliane Santos da; SANTOS, Rosana Cássia dos. “Vocês estão sozinhas?” A resposta está na pergunta. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 77–86, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n1p77. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n1p77. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"