A ´estratégia da sinceridade` em "Feliz ano velho", de Marcelo Rubens Paiva

Darlan Roberto Santos

Resumo


Neste artigo, pretende-se analisar a autobiografia Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva. A intenção é debater, a partir da obra, a “verdade” contida nas escritas memorialísticas e algumas possibilidades de sua elaboração, através do relato íntimo. Além de contribuir para o desvendamento deste processo da escrita de si, propomos uma revisitação da obra de Paiva, bastante representativa do período histórico em questão (a redemocratização, após o período ditatorial no Brasil), e que completa, em 2012, 30 anos. Entendemos que, no livro em questão, há, por parte do autor, a adoção de uma “estratégia da sinceridade”, composta, entre outros elementos, pela escolha de uma linguagem simples e a menção a determinados fatos e nuances da vida de Paiva, envolvendo drogas, sexualidade e o acidente que o deixou paraplégico, após o salto em uma lagoa. Como resultado, têm-se, afinal, a construção de um autorretrato que cativa o público através do efeito de autenticidade.


Palavras-chave


Autobiografia; Feliz Ano Velho; Marcelo Rubens Paiva.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2012v17n2p131

Direitos autorais 2012 Darlan Roberto Santos

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.