Febo Apolo na trama épica de "Memorial da Infancia de Christo e Triumpho do divino Amor" (1639) de Soror Maria de Mesquita Pimentel

Fabio Mario da Silva

Resumo


Este artigo foca a maneira como é representada a figura de Apolo na epopeia religiosa de Soror Maria de Mesquita Pimentel (1581-1661), escritora professa do Mosteiro de São Bento de Cástris, na cidade de Évora, e que se tornou a primeira mulher a publicar em língua portuguesa um épico intitulado Memorial da Infância de Cristo e Triunfo do divino Amor (1639), texto de suma importância para se entender o género épico na história da literatura portuguesa e, consequentemente, o uso pelas mulheres da mitologia grega, mesmo em texto produzidos em espaços conventuais. Para isto faremos uma revista em torno do que os críticos dizem a respeito do deus Apolo, enfoque principal da nossa análise, e quais as apropriações que a escritora-monja dá a este mito no seu texto, visto que ele figura com bastante frequência, mais do que outros deuses mitológicos, com a nítida intenção de demonstrar a pluralidade simbólica desta divindade ao serviço do que é benévolo e cristão.


Palavras-chave


Apolo; Mitologia; Epopeia religiosa; Soror Maria de Mesquita Pimentel

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2015v20n1p201

Direitos autorais 2015 Fabio Mario da Silva

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.