A Casa da Madrinha: o processo de individuação na obra de Lygia Bojunga

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021.e74760

Palavras-chave:

A Casa da Madrinha, Símbolo, Processo de Individuação, Psicologia Analítica, Literatura Infantojuvenil

Resumo

Consagrada entre os mais destacados escritores brasileiros da literatura infantojuvenil, a narrativa de Lygia Bojunga entrelaça a temática social ao conflito psicológico e ao processo de amadurecimento das personagens protagonistas. Ou seja, elementos do real servem de base para a fantasia, possibilitando várias formas de leitura das histórias criadas pela escritora. Nesse sentido, o presente artigo traz uma abordagem teórico-analítica, em que o objetivo foi analisar a obra A Casa da Madrinha, de Lygia Bojunga (2015), a partir de uma leitura junguiana. A jornada de Alexandre, personagem central, é desvelada como símbolo do processo de individuação. A Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung (1875-1961) foi utilizada como instrumento de revelação do simbólico, do mitológico da obra da escritora, ou seja, para a interpretação do espaço de fantasia da narrativa e do processo de individuação do personagem protagonista da história. Na literatura de Lygia Bojunga, a imaginação não aparece como fator de alienação do real, mas como processo fundamental de transformação e mobilização da vida, onde o personagem Alexandre, na experiência de seu processo de individuação, foi capaz de ressignificar seus espaços de vida exterior e interior.

Biografia do Autor

Dalízia Amaral Cruz, Universidade Federal do Pará

Licenciada em Letras/habilitação em língua portuguesa e Psicóloga pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Doutora em Psicologia (Teoria e Pesquisa do Comportamento) pela UFPA, Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Universidade da Amazônia (UNAMA) e Estagiária de Pós-doutorado em Psicologia (Teoria e Pesquisa do Comportamento) na UFPA.

Marluce Cristina Araújo Silva, Universidade Federal do Pará

Licenciada em Teatro pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Técnica em Artes Dramáticas pela Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Pena – Rio de Janeiro, Especialista em A Arte de Contar Histórias pela Faculdade Conhecimento e Ciência (FCC) e Mestranda em Artes na UFPA.

Elson Ferreira Costa, Universidade do Estado do Pará

Terapeuta Ocupacional pela Universidade Estadual do Pará (UEPA), Doutor e Mestre em Teoria e Pesquisa do Comportamento pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Especialista em Saúde da Criança e do Adolescente pela Faculdade UniBF e Docente do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BOJUNGA, Lygia. A Casa da Madrinha. Rio de Janeiro: Casa Lygia Bojunga, 2015.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 2018.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREEMAN, John. Introdução. In: JUNG, Carl G. (Ed.). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002, p. 9-15.

JUNG, Carl Gustav. Chegando ao inconsciente. In: JUNG, Carl G. (Ed.). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002, p. 19-103.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2014.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: história e histórias. São Paulo: Ática, 2005.

MACEDO, Helder. Camões e a viagem iniciática. Lisboa: Moraes Editora, 1980.

MENDES, Mariza. Em busca dos contos perdidos: o significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

PIRES, Carlos; GOMBOEFF, Ana Lúcia Madsen. Infância e sociedade em A Casa da Madrinha, de Lygia Bojunga Nunes. Veras, v. 2, n. 2, p. 293-295, 2012.

RODRIGUES, Isabela Paixão; MOREIRA, Fernanda Gonçalves. Elaboração das vivências psíquicas: o papel da literatura. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica, v. 35, n. 1, p. 61-67, 2017.

SANDRONI, Laura. De Lobato a Bojunga: as reinações renovadas. Rio de Janeiro: Agir, 1987.

SILVA, Luciana Aparecida. O jogo do imaginário e a morte social e A Casa da Madrinha. Anais do CENA, v. 1, n. 1, p. 189-194, 2013.

SIRINO, Salete Paulina Machado; FORTES, Rita das Graças Felix. Jauss e Iser: efeitos estéticos provocados pela leitura de Conversa de Bois e Campo Geral, de João Guimarães Rosa. Revista Científica/FAP, v. 7, p. 209-228, 2011.

VON FRANZ, Marie Louise. O Processo de Individuação. In: JUNG, Carl G. (Ed.). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002, p. 158-229.

Downloads

Publicado

2021-04-16

Como Citar

CRUZ, D. A.; SILVA, M. C. A.; COSTA, E. F. A Casa da Madrinha: o processo de individuação na obra de Lygia Bojunga. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-14, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021.e74760. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/74760. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos