As laranjas e a pandemia: a poética da mistura nas aquarelas de Maria Esmênia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021.e78664

Palavras-chave:

Mistura, Aquarela, Cor, Detalhe, Maria Esmênia

Resumo

Neste ensaio, intentamos apresentar uma reflexão acerca da poética da “mistura”, (COCCIA, 2018), costurando a leitura de uma série de obras artísticas produzidas pela aquarelista Maria Esmênia, que foram postadas em sua página no Facebook durante o início da pandemia  em 2020, relegando-nos ao distanciamento físico e levando-nos a uma proximidade virtual. Nosso objetivo é problematizar aqui uma leitura que pretende ser estética e política ao mesmo tempo, ao abordar as formas e cores da passagem do tempo pandêmico na vida e na obra dessa artista. Vemos na série de pinturas/colagens/fotomontagens de laranjas realizadas por Maria Esmênia, e nas cores que se transformam (CRUZ, 2001), um detalhe (RANCIÈRE, 2009), um biografema (BARTHES, 2003), um instante-já (LISPECTOR, 1973), que contam a história.  Assim procedendo, procuramos fazer uma leitura de um fragmento de obra de uma artista com sua singularidade, mas também remetendo-nos a um coletivo, aos elos dessa poética com um comportamento social comum a outros artistas, cada um em seu momento de vida e singularidade, todos compartilhando em seus corpos as marcas do processo do tempo (GOLDEMBERG, 2013) que passa, misturando-se com a prática artística na vida cotidiana da cidade, num movimento estético urbano espalhado pelo mundo.

Biografia do Autor

Ana Maria Alves de Souza, Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis

Formada na Licenciatura em Artes Plásticas (1999, CEART/UDESC), com mestrados em Antropologia Social (2003, UFSC) e também em Literatura (2011, UFSC). É professora de Artes Visuais da Rede Municipal de Florianópolis com 10 anos de atuação, sendo efetiva na EBM João Alfredo Rohr (Córrego Grande).

Referências

ADICHIE, Chimamanda. Ngozie. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, Roland. Roland Barthes por Roland Barthes. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

CHEREM, Rosangela; MAKOWIECKY, Sandra (org.). Artistas contemporâneas na Teoria e História da Arte. Florianópolis: AAESC, 2016.

COCCIA, Emanuele. A vida das plantas: uma metafísica da mistura. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2018.

CRUZ, José Maria Dias da. A Cor e o Cinza: rompimentos, revelações e passagens. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2001.

GOLDEMBERG, Míriam. A Bela Velhice. Rio de Janeiro: Record, 2013. E-book.

GONÇALVES, Maria Esmênia Ribeiro. Maria Esmênia. Florianópolis, 29 jul. 2020. Facebook. Página da administradora. Disponível em: https://www.facebook.com/mariaesmenia.arte. Acesso em: 20 maio 2021.

GUASCH, Ana Maria. Los lugares de la memoria: el arte de archivar y recordar. Materia. Revista del Departamento de Historia del Arte, Barcelona, v. 5, p. 157-183, 2005. Diaponível em: https://colectivoam.files.wordpress.com/2012/05/el-arte-de-archivar-y-recordar.pdf. Acesso em: 20 maio 2021.

JERÔNIMO, Ivan. 60 dias dentro de casa: um diário ilustrado do isolamento. Florianópolis: Edição do Autor, 2020. Disponível em: http://www.ivanjeronimo.com.br/essays/. Acesso em: 29 nov. 2020.

LISPECTOR, Clarice. Água Viva. Rio de Janeiro: Editora Arte Nova S.A., 1973.

MARQUES, Maira Carmo. A poesia de Bagagem, de Adelia Prado. 2012, 121 p. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-09112012-093125/publico/2012_MairaCarmoMarquez.pdf. Acesso em: 21 maio 2021.

PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. São Paulo: Ed. 34, 2009.

SOUZA, Ana Maria Alvez. Frida Kahlo: Imagens (auto) biográficas. 2011, 145 p. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/20_10_2014_19.57.41.6f73d4c598f1cfc4177cf78081402296.pdf. Acesso em: 29 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

SOUZA, A. M. A. de. As laranjas e a pandemia: a poética da mistura nas aquarelas de Maria Esmênia. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-11, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021.e78664. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/78664. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Representações da velhice na literatura e outras artes