O retorno do Messias: ele está de volta e o fascismo eterno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021e79887

Resumo

Em 2012, quando a recessão democrática mundial ainda estava apenas em seu sexto ano consecutivo de acordo com os índices da Freedom House, Timur Vermes publicou o best-seller Ele está de volta. Rapidamente transformado em filme, o absurdo da sátira política de Vermes beira o kafkiano: Hitler retorna dos mortos. É tomado levianamente como um ator fascinante, por nunca quebrar seu papel, e de forma gradual ascende novamente à política. Flexionando as fronteiras entre o real da política e o real da literatura, bem como entre o humor e o horror, Ele está de volta explora, cruamente, a possibilidade do fascismo retornar e a perigosa negação do fenômeno. Esse artigo irá colocar uma base teórica sobre o conceito de fascismo – entendendo-o como conceito político genérico, portanto passível de deslocamento para além de sua manifestação original – em diálogo com a ficção de Vermes, tornando possível, no processo, perceber não apenas aparições de traços do fascismo na ficção, mas também de suas manifestações contemporâneas. Assim, espera-se contribuir para o estado da arte ao incrementar a compreensão de um conceito polissêmico, bem como alertar para o perigo de acreditar que o fascismo morreu com a morte de Hitler em 1945. Pois, como Vermes mostra, um Hitler sempre pode estar de volta.

Biografia do Autor

Sergio Schargel, Universade de São Paulo

Mestre em Letras pela PUC-Rio, mestre em Ciência Política pela Unirio. Bacharel em Comunicação Social, Jornalismo e Comunicação Social, Publicidade e Propaganda, ambas pela PUC-Rio, bacharelando em Letras pela Estácio de Sá. Sua pesquisa e produção artística são focadas na relação entre literatura e política, tangenciando temas como teoria política, literatura política, pós-memória, antissemitismo e a obra de Sylvia Serafim Thibau.

Referências

ALBRIGHT, Madeleine. Fascismo: um alerta. Trad. de Jaime Biaggio. São Paulo: Planeta, 2018.

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo: totalitarismo, o paroxismo do poder. Trad. de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1978.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jesuralém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

AZEVEDO, Reinaldo. Mais uma vez, Bolsonaro usa Mussolini, o pai do fascismo, como referência. UOL, São Paulo, 01 jun. 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/colunas/reinaldo-azevedo/2020/06/01/mais-uma-vez-bolsonaro-usa-mussolini-o-pai-do-fascismo-como-referencia.htm. Acesso em: 05 dez. 2020.

BERMAN, Sheri. Populism is not fascism. But it could be a harbinger. Foreign Affairs, dez. 2016. Disponível em: https://www.foreignaffairs.com/articles/united-states/2016-10-17/populism-not-fascism. Acesso em: 19 set. 2020.

CAMUS, Albert. A peste. Trad. de Valerie Rumjanek. Rio de Janeiro: Editora Record, 2017.

DEUTSCHE WELLE. Líder populista de direita minimiza impacto do Nazismo na história alemã. 02 jun. 2018. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/l%C3%ADder-populista-de-direita-minimiza-impacto-do-Nazismo-na-hist%C3%B3ria-alem%C3%A3/a-44055784#. Acesso em: 26 set. 2020.

ECO, Umberto. O fascismo eterno. Trad. de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2018.

ER IST WIE DER DA (Ele está de volta). Direção: David Wnendt. Produção: Lars Dittrich e Christopher Müller. Roteiro: Mizzi Meyer e David Wnendt. Fotografia de HannoLentz. Deutschland: Mythos, 2015. Disponível em: www.netflix.com. Acesso em: 14 jul. 2020.

EVANS, Stephan. Timur Vermes’ Hitler novel: can the Führer be funny? BBC, 01 mai. 2013. Disponível em: https://www.bbc.com/culture/article/20130417-is-it-okay-to-laugh-at-hitler. Acesso em: 27 nov. 2020.

ORTEGA Y GASSET, Jose. A rebelião das massas. Trad. de Herrera Filho. São Paulo: Linográfica Editôra LTDA., 1962.

GRUNBERG, Aarnon. Warnings about Weimar Germany could turn into self-fulfilling prophecies. The Guardian, 19 fev. 2020. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/feb/19/warnings-weimar-germany-prophecies. Acesso em: 22 dez. 2020.

MCEWAN, Ian. A barata. Trad. de Jorio Dauster. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MICHAHELLES, Kristina. Queda do muro, há 30 anos, turbinou Alemanha como potência europeia e mudou Berlim radicalmente. O Globo, Rio de Janeiro, 03 nov. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/mundo/queda-do-muro-ha-30-anos-turbinou-alemanha-como-potencia-europeia-mudou-berlim-radicalmente-24057078. Acesso em: 27 nov. 2020.

MOUNK, Yascha. El pueblo contra la democracia: por qué nuestra libertad está enpeligro y cómo salvarla. Trad. De Albino Santos Mosquera. Barcelona: Espasa Libros, 2018.

MUSSOLINI, Benito. My autobiography: with “The political and social doctrine of Fascism”. New York: Dover Publications, 2006.

ORWELL, George. 1984. Trad. de Heloisa Jahn e Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PALESTRA COM YASCHA MOUNK. PUC-RIO, 2019. Disponível em: http://www.com.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1300&sid=24. Acesso em: 09 mai. 2019.

PAXTON, Robert. A anatomia do fascismo. Trad. de Patrícia Zimbres e Paula Zimbres. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

RIEMEN, Rob. O eterno retorno do fascismo. Trad. de Maria Carvalho. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2012.

ROBINSON, Matthew. German jews warned not to wear kippahs in public following spike in anti-semitism. CNN, Atlanta, 26 mai. 2019. Disponível em: https://edition.cnn.com/2019/05/26/europe/germany-antisemitism-kippah-intl-scli-ger/index.html. Acesso em: 27 nov. 2020.

SCHARGEL, Sergio. “Fascism is once more at our doors, and we still refuse to see and treat it by its name”: an interview with Cultural Philosopher Rob Riemen. Revista Cantareira, Niterói, n. 33, p. 97-107, 2020. Disponível em: https://periodicos.uff.br/cantareira/article/view/40711. Acesso em: 14 jan. 2021.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

SPIEGELMAN, Art. Maus. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

STANLEY, Jason. Como funciona o fascismo: a política do “nós” e “eles”. Trad. de Bruno Alexander. Porto Alegre: L&PM, 2018.

UNDERGÅNGENS ARKITEKTUR (Arquitetura da destruição). Direção: Peter Cohen. Produção: Peter Cohen. Roteiro: Peter Cohen. Suécia: [s. n.], 1989. Disponível em: https://canalcurta.tv.br/series/serie.aspx?serieId=442. Acesso em: 27 nov. 2020.

VERMES, Timur. Ele está de volta. Trad. de Peterso Rissati. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-09

Como Citar

MENEZES, S. S. M. de. O retorno do Messias: ele está de volta e o fascismo eterno. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-18, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021e79887. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/79887. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos