Nikolai Leskov e o animismo: falar com pedras no conto Alexandrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021.e82640

Palavras-chave:

Nikolai Leskov, Alexandrita, Animismo, Fantástico literário

Resumo

O conto Alexandrita (um fato natural à luz do misticismo), do autor russo Nikolai Leskov (1831-1895), apresenta-se particularmente adequado a uma leitura anímica de seus aspectos insólitos. A personalização das pedras alexandrita e piropo, minerais preciosos que representam as nações russa e tcheca respectivamente, dá à narrativa a hesitação necessária para uma caracterização fantástica, segundo a teoria de Tzvetan Todorov reforçada por David Roas. As duas gemas são tratadas pelo personagem do ourives como dotadas de vida e de alma, características centrais do animismo. Além da concepção anímica, há no conto um contraste entre os saberes civilizados e os chamados tradicionais, pois ao narrador, representante da característica urbana, opõe-se o velho ourives cabalista e místico, guardião da tradição popular de sua terra. Walter Benjamin (1936) retoma a obra de Leskov em sua conhecida teorização acerca da arte de narrar. A qualidade narrativa por ele prezada está contida no modo artesanal como Leskov constrói suas obras. Tal reflexão sobre a arte literária está também em Sigmund Freud, que tece considerações aproximando a psicologia e a antropologia da literatura. O conto Alexandrita é, portanto, o ponto de encontro de conceitos e disciplinas díspares visto ser ele valioso como os objetos e saberes que descreve.

Biografia do Autor

Marcos Lampert Varnieri, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Estudos de Literatura, na linha de pesquisa Pós-colonialismo e Identidades. A pesquisa de doutorado trata dos cantos do povo Tikmũ'ũn-Maxakali lidos nas perspectivas do xamanismo e do animismo. Mestre em Letras pela UniRitter Laureate International Universities. Desenvolveu sua dissertação sobre a obra épica finlandesa Kalevala. Graduado em Licenciatura em Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa pela mesma instituição.

Referências

BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2014, p. 213-240.

DESCOLA, Philippe. Além de natureza e cultura. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 1, p. 7-33, jan./jun. 2015.

DURKHEIM, Émile. Les formes élémentaires de la vie religieuse. Paris: Presse Universitaire de France, 2013.

FREUD, Sigmund. Obras completas: O delírio e os sonhos na Gradiva, Análise da fobia de um garoto de cinco anos e outros textos (1906 – 1909). Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. v. 8.

FREUD, Sigmund. Obras completas: totem e tabu, contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912 – 1914). Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. v. 11.

LESKOV, Nikolai. A fraude e outras histórias. Trad. de Denise Sales. São Paulo: Editora 34, 2014.

ROAS, David A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. de Julián Fuks. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SILVA, Tânia Regina Silva da; SILVEIRA, Regina da Costa da. A insólita criança divina em A menina de lá, de Guimarães Rosa. Nonada: Letras em Revista, v. 2, n. 27, p. 107-119. set. 2016.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. de Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 2012.

TYLOR, Edward Burnett. Primitive culture. Mineola: Dover Publications Inc, 2016. v. 1.

VÁSSINA, Elena. Nikolai Leskov, o mais original dos escritores russos. In: LESKOV, Nikolai. A fraude e outras histórias. Trad. de Denise Sales. São Paulo: Editora 34, 2014, p. 203-217.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade: na história e na literatura. Trad. de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Downloads

Publicado

2021-12-09

Como Citar

VARNIERI, M. L. . Nikolai Leskov e o animismo: falar com pedras no conto Alexandrita. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-12, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021.e82640. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/82640. Acesso em: 26 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos