O mestre de javanês: a transição do indivíduo à pessoa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2022.e85697

Palavras-chave:

Indivíduo, Pessoa, Literatura, Lima Barreto, Castelo

Resumo

O contato com o mundo literário permite, ao leitor, construir ideias, conhecer pontos de vista diferentes e, especialmente, estabelecer reflexões acerca da própria identidade e da sua atuação no meio social. A afirmação se conforma perfeitamente ao conto “O homem que sabia javanês”, de Lima Barreto, em que figura a personagem Castelo, típico ator social da urbanidade brasileira do final do século XIX e início do século XX. Por meio de seu discurso, vislumbra-se seu processo de passagem de individuação à condição de pessoa, inserida no meio social, subjugada às leis gerais do Estado. A análise que se propõe neste estudo tem como horizonte teórico uma perspectiva de transição de indivíduo à pessoa à luz da semiolinguística, da antropologia e da história do país.

Biografia do Autor

Ernani Mügge, Universidade Feevale

Doutor em Letras (UFRGS), com pós-doutorado em Cultura e Literatura (PNPD/CAPES). Pesquisador e professor no curso de Letras e no Programa de Pós-graduação em Processos e Manifestações Culturais (Universidade Feevale).

Daniel Conte, Universidade Feevale

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Doutor em Literatura Brasileira, Portuguesa e Luso-africana pela UFRGS. Professor permanente e pesquisador da Universidade Feevale, atuando no PPG em Processos e Manifestações Culturais e no Mestrado Profissional em Indústria Criativa. E professor Visitante no PPG-Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na linha de pesquisa Pós-colonialismo e identidades.

Débora Priscila Marasca, Universidade Feevale

Mestranda em Processos e Manifestações Culturais, na Universidade Feevale. Graduada em Letras - Português/Inglês, pela Universidade Feevale, e em Formação de Professores para a Educação Profissional, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Especialista em Mídias na Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e em Impactos da Violência na Educação, pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). É professora de Língua Portuguesa nas redes públicas municipais de Ivoti e Campo Bom.

Referências

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. O homem que sabia javanês e outros contos. Curitiba: Polo Editorial do Paraná, 1997.

CHARAUDEAU, Patrick. Identidade social e identidade discursiva, o fundamento da competência comunicacional. In: LE SITE de Patrick Charadeau; PIETROLUONGO, Márcia. (Org.). O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p. 309-326. Disponível em: http://www.patrick-charaudeau.com/Identidade-social-e-identidade.html. Acesso em: 19 jan. 2022.

CHARAUDEAU, Patrick. Identidade linguística, identidade cultural: uma relação paradoxal. In: LARA, Glaucia Proença; LIMBERTI, Rita Pacheco. (Orgs.) Discurso e desigualdade social. São Paulo: Contexto, 2015, p. 13-29.

DAMATTA, Roberto da. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. (Coord.). A abertura para o mundo: 1889-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

MÜGGE, Ernani; CONTE, Daniel; MARASCA, Débora Priscila. O mestre de javanês: a transição do indivíduo à pessoa. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 27, p. 01–15, 2022. DOI: 10.5007/2175-7917.2022.e85697. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/85697. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos