A parábola do semeador: questões de gênero na obra distópica de Octavia Butler

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e86482

Palavras-chave:

A Parábola do Semeador, Estudos de gênero, Literatura

Resumo

O presente artigo busca investigar no romance distópico A parábola do semeador, da autora afro-americana Octavia Butler, questões concernentes ao gênero observadas no livro, ou seja, ponderações acerca do espaço que o estudo de gênero encontra na literatura. Vale destacar que esse foi o primeiro livro da duologia Semente da Terra, tendo sua primeira publicação em 1993, embora tenha começado a ser traduzido no Brasil muitos anos depois. Dessa maneira, por meio da exposição de trechos selecionados na obra supracitada, serão abordados, também, estudos acerca da desigualdade de gênero. Portanto, discorreremos, aqui, sobre os seguintes assuntos: as diferentes visões dos papéis a serem desempenhados por homens e mulheres na sociedade e relações de poder e domínio do primeiro para com o segundo, bem como reflexões sobre as masculinidades, protagonismo feminino e violência de gênero. Para isso, serão considerados os conceitos propostos por autores como Butler (2003), Oliveira (1998), Gomes (2016), entre outros pesquisadores que tratam dos estudos de gênero na literatura.

Biografia do Autor

Gabriele Valim Vargas, Universidade Federal de Pelotas

Licenciada em Letras pela UFPel. Atualmente é Mestranda em Letras (Área de texto, discurso e relações sociais), pelo PPGL da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e realiza o curso de Pós-Graduação em Linguística e Ensino de Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Eduardo Marks de Marques, Universidade Federal de Pelotas

Tem Licenciatura em Letras – Português e Inglês pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999). É Mestre em Letras – Inglês e Literatura Correspondente pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) e tem PhD em Australian Literature and Cultural History pela University of Queensland (2007). Realizou Estágio Pós-Doutoral em Teoria Literária na Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Atualmente é Professor Associado IV na Universidade Federal de Pelotas, onde desenvolve pesquisa na área de distopias, suas manifestações contemporâneas e suas convergências com pós-humanismo e transumanismo.

Referências

ARBOLEYA, Valdinei José. Protagonismo feminino em distopias contemporâneas de língua inglesa: mulheres, combates e embates. Paraná, Scripta Uniandrade, v. 19, n. 2, p. 37-56, 2021.

BENTO, Berenice; PELUCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso), v. 20, p. 559-568, 2012.

BÍBLIA. Andar na luz. Efésios. Trad. de João Ferreira Almeida. In: A Bíblia Sagrada: antigo e novo testamento. Rio de Janeiro: King Cross Publicações, 2008, p. 903-904.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Atos performativos e constituição de género. Um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: MACEDO, Ana Gabriela; RAYNER, Francesca (Org.). Género, cultura visual e performance. Antologia crítica. Minho: Universidade do Minho/Húmus, 2011, p. 69-87.

BUTLER, Octavia Estelle. A parábola do Semeador. Trad. de Carolina Caires Coelho. São Paulo: Morro Branco, 2018.

COELHO, Ingrid Mesquita; CERDEIRA, Daniel; HONORATO, Eduardo Jorge San’Tana. Os processos religiosos judaicos: cristãos e a construção dos machismos. REVES – Revista Relações Sociais, v. 2, p. 281-290, 2019.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antonio. Dicionário crítico de gênero. Dourados: MS: Ed. Universidade Federal de Grande Dourados, 2019.

FREITAS, Waglânia de Mendonça Faustino et al. Paternidade: responsabilidade social do homem no papel de provedor. Revista de Saúde Pública, v. 43, p. 137-145, 2009.

GOMES, Carlos Magno. Violência de gênero e a crise da masculinidade. Revista Fórum Identidades. Itabaiana: Gepiadde, v. 21, p. 33-48, maio/ago. 2016.

HADDAD, Maria Irene Delbone; HADDAD, Rogério Delbone. Judith Butler: Performatividade, Constituição de gênero e teoria feminista. In: V Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, 2017, Salvador/BA. Anais Enlaçando. Campina Grande/PB: Editora Realize, p. 1-8, 2017.

HILÁRIO, Leomir Cardoso. Teoria crítica e literatura: a distopia como ferramenta de análise radical da modernidade. Anuário de Literatura, v. 18, n. 2, p. 201-215, 2013.

LORD, Lucio José Dutra. Desigualdade de gênero e literatura brasileira: um olhar a partir da Sociologia. ENTRELACES (UFC), v. 1, p. 128-142, 2018.

MACHADO, Lia Zanotta. Masculinidade, sexualidade e estupro. Cadernos Pagu. Campinas, v. 11, p. 231-73, 1998.

NIGRO, Claudia. Literatura & Gênero I. Olho D’ Água. São Paulo: Univ. Estadual Paulista, Fundação Editora Unesp, v. 11, n. 2, p. 123-125, 2019.

OLIVEIRA, Pedro Paulo. Discursos sobre a masculinidade. Revista Estudos Feministas, v. 6, n. 1, p. 91-112, 1998.

PASINATO, Wânia. Feminicídios e as mortes de mulheres no Brasil. Cadernos Pagu, v. 37, p. 219-246, 2011.

SILVA, Sergio Gomes. A crise da masculinidade: uma crítica à identidade de gênero e a literatura masculinista. Psicologia, Ciência e Profissão, Brasília – DF, v. 01, p. 118-131, 2006.

SILVEIRA, Clara Maria Holanda; OSTERNE, Maria do Socorro Ferreira. A mulher é Eva, o homem Adão? Reflexões sobre o significado do ser homem e do ser mulher na sociedade. Caderno Espaço Feminino (Online), v. 27, p. 1-18, 2014.

Downloads

Publicado

2023-03-13

Como Citar

VARGAS, Gabriele Valim; MARQUES, Eduardo Marks de. A parábola do semeador: questões de gênero na obra distópica de Octavia Butler. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–16, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e86482. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/86482. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos