Feminismo, Interseccionalidade e Decolonialidade no Diálogo Entre Quarto de Despejo e Cartas a Uma Negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e93896

Palavras-chave:

Quarto de Despejo, Cartas a Uma Negra, Interseccionalidade, Feminismo Decolonial

Resumo

O presente artigo objetiva analisar o diálogo entre a autora brasileira Carolina Maria de Jesus (1914- 1977) e a martinicana Françoise Ega (1920-1976), buscando compreender, por meio do viés feminista decolonial, os processos interseccionais de exclusão e silenciamento sofridos por elas. A partir da publicação de Quarto de despejo: diário de uma favelada, a autora negra, favelada e catadora de papel Carolina Maria de Jesus causou enorme impacto, em sua época, sendo traduzido para catorze idiomas. Uma dessas traduções, mais precisamente um pequeno resumo de Quarto de Despejo traduzido para o Francês, chega às mãos de Françoise Ega, uma antilhana que foi para a França durante a Segunda Guerra Mundial. Nessa leitura, Ega não somente encontra identificação projetiva nas palavras de Carolina, como vislumbra também o cotidiano de muitas de suas companheiras imigrantes caribenhas, originando-se, daí, o livro Cartas a Uma Negra. Os resultados obtidos deste estudo apontaram para a necessidade de analisar obras de autoras afro-americanas não só pelo aspecto interseccional, mas também sob a ótica da decolonialidade, devido às singularidades de suas histórias de vida e escrita. Como aporte teórico, foram utilizadas obras, no âmbito da crítica literária feminista, de Akotirene (2019), Crenshaw (1989), Collins e Bilge (2020), Davis (2016), entre outras.

Biografia do Autor

Waldimiro Maximino Tavares César, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Letras/Língua e Literatura Portuguesa pela Universidade Federal do Amazonas (2006). Pós-graduação Lato Sensu em Docência para a Educação Profissional Tecnológica (EPT) pelo Instituto Federal do Espírito Santo (2021). Atualmente, Professor do Ensino Fundamental e Médio da Secretaria de Educação e Desporto do Estado do Amazonas (SEDUC-AM). Experiência na área de Letras, com ênfase em Autoria Feminina Negra, Interseccionalidade e Feminismo Decolonial.

Elis Regina Fernandes Alves, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Letras-UEM (2003), mestrado em Letras-UEM (2007), e doutorado em Letras-UNESP (2018). Professora adjunta da Universidade Federal do Amazonas-UFAM, no curso de Letras do IEAA - Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente de Humaitá-AM desde 2009. Atua no PPGL-UFAM (Manaus), orientando, principalmente em temáticas voltadas à crítica literária feminista, feminismo negro, interseccionalidade, feminismo decolonial, memória e pós-colonialismo.

 

Gabriela Gomes Reis, Universidade Federal do Amazonas

É graduada em Letras - Língua Portuguesa e Língua Inglesa e suas Literaturas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Atualmente, discente do Programa de Pós-Graduação em Letras pela UFAM. Possui experiências na áreas de Letras, com foco na Literatura, atuando principalmente nos temas: escrita pós-colonial, memória, outremização e diáspora.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos do Estado: nota sobre aparelhos ideológicos do Estado. Trad. de Walter José Evangelista; Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 52. ed. São Paulo: Parábola, 2009.

BAKTHIN, Mikahil. Os Gêneros do Discurso. Trad. de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BOUTELDJA, Houria. Raça, classe e gênero: uma nova divindade de três cabeças. Cadernos de Gênero e diversidade, v. 2, n. 2, p. 5-9, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/20686. Acesso em: 13 jan. 2023.

CARNEIRO, Vinícius; MACHADO, Maria-Clara. Tão longe, tão perto. In: EGA, Françoise. Cartas a uma negra. São Paulo: Todavia, 2021. p. 237-252.

CLARK, Kenneth Bancroft. The Negro protest: James Baldwin, Malcolm X, Martin Luther King talk with Kenneth B. Clark. Boston: Beacon Press, 1963.

COLLINS, Patrícia. Hill.; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Trad. de Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2020.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. The University of Chicago Legal Forum, n. 140, p. 139-167, 1989.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. Trad. de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. Trad. de Giovanni Cutolo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1971.

EGA, Françoise. Cartas a Uma Negra: narrativa antilhana. Trad. de Vinícius Carneiro e Mathilde Moaty. São Paulo: Todavia, 2021.

FOUCAULT, Michel. A Escrita de Si. In: MOTTA, Manoel Barros da. (org.). Ética, sexualidade, política. Trad. de Elisa Monteiro; Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. p. 144-162.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. Trad. de Fernando Cabral Martins. Lisboa: Veja, 1980.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Trad. de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

ISER, Wolfgang. A interação do texto com o leitor. In: JAUSS, Hans Robert et al. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Trad. e Coord. de Luiz Costa Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 83-132.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: Diário de Uma Favelada. 10. ed. São Paulo: Ática, 2014.

LEITE, Marli Quadros. Preconceito e intolerância na linguagem. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2022.

LEJEUNE, Philippe. El Pacto Autobiográfico y otros estúdios: el mundo iluminado. Trad. de Ángel G. Loureiro. Ciudade del México: Lúmen, 1998.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Tabula Rasa, n. 9, 2008, p. 73-101.

LUGONES, María. Heterosexualims and the Colonial / Modern Gender System. Hypatia, v. 22, n. 1, p. 186-209, 2007.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 1974.

MOREIRA, Núbia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. 121 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP, 2007.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad de poder y clasificacion social. Journal of World Systems Research, v. 1, n. 2, p. 342-386, 2000.

RIBEIRO, Djamila. “É preciso discutir por que a mulher negra é a maior vítima de estupro no Brasil” – Entrevista concedida Marina Novaes. El País, São Paulo, 23 jul. 2016 às 14h28. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/14/politica/1468512046_029192.html. Acesso em: 13 jan. 2023.

SILVA, Roseane Amorim da; MENEZES, Jaileila de Araújo. A interseccionalidade na produção científica brasileira. Pesqui. Prát. Psicossociais, São João Del Rei, v. 15, n. 4, oct./dez. 2020. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci arttext&pid=S1809-89082020000400010. Acesso em: 12 jan. 2023.

SIQUEIRA, Samanta Vitória; LUCENA, Karina de Castilhos. Aquela que diz não à sombra: biografia e obra da escritora martinicana Françoise Ega. Caligrama, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 57-75, 2020. Disponível em: http://periodicos.letras.ufmg.br/ index.php/caligrama/article/view/17136. Acesso em: 13 jan. 2023.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo Decolonial. Trad. de Jamille Pinheiro Dias e Raquel Camargo São Paulo: Ubu Editora, 2020.

Downloads

Publicado

2023-11-13

Como Citar

CÉSAR, Waldimiro Maximino Tavares; ALVES, Elis Regina Fernandes; REIS, Gabriela Gomes. Feminismo, Interseccionalidade e Decolonialidade no Diálogo Entre Quarto de Despejo e Cartas a Uma Negra. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–20, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e93896. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/93896. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos