A literatura reengajada: notas sobre criação e engajamento em Albert Camus

Raphael Luiz de Araújo

Resumo


Embora não tenha sido consagrado como crítico literário, Albert Camus apresentou alguns elemen­tos básicos para a criação artística em diálogo com os intelectuais de sua época, como Jean-Paul Sartre e Roland Barthes. Para apresentar tais noções e suas mutações ao longo da carreira do escritor, o presente ar­tigo propõe explorar o ato de escrever como resistência à condição absurda, presente em “A inteligência e o cadafalso” e posto em prática em O estrangeiro. Em seguida, analisa-se como essa concepção aparece no segundo ciclo de obras do escritor, quando a noção de absurdo se estende à coletividade em A peste e em O homem revoltado.


Palavras-chave


Albert Camus; Crítica francesa; Literatura de engajamento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2014v14n21p105

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon