A memória drummondiana nos álbuns de família: uma análise de “Retrato de família”

Mariane Pereira Rocha, Aulus Mandagará Martins

Resumo


Este trabalho se propõe a estabelecer uma reflexão sobre a possibilidade de diálogo entre a fotografia e a poesia em Carlos Drummond de Andrade. Entendendo a fotografia como fenômeno multifacetado, neste artigo nos deteremos na fotografia como dispositivo que propicia capturar e fixar o tempo passado. Com o apoio do pensamento de Benjamin, Barthes e Sontag acerca da linguagem fotográfica, que apontam para uma problematização dessa captura e fixação da memória, analisamos o poema “Retrato de família” de A rosa do povo (1945) a fim de entender de que modo o poema se apropria da linguagem fotográfica e de seus usos culturais. Percebemos a partir dessa análise que a referência à fotografia tem por efeito subverter a crença da qual nunca se desconfia de que a foto “preserva” o passado de forma fidedigna, de modo a se poder recuperar aquele tempo passado intacto, posto que fixado na imagem fotográfica.

Palavras-chave


Memória; Fotografia; Carlos Drummond de Andrade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2017v17n28p5

Direitos autorais 2018 Mariane Pereira Rocha, Aulus Mandagará Martins

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon