A sobrevivência da estátua

Autores

  • André Piazera Zacchi Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2019v19n30p39

Palavras-chave:

Cacto, Estátua, Bandeira

Resumo

No poema de Manuel Bandeira o cacto é uma estátua. Essa estátua tomba e interrompe a vida na cidade. Na morte o cacto se historiciza e, nesse sentido, ganha vida. A montagem das imagens no poema e sua leitura vertical, livre, nos apontam para outras imagens como as da escultura negra de Carl Einstein e sua leitura por Chris Marker e Alain Resnais em As estátuas também morrem, ou imagens como as poses dos nativos em ¡Que viva México! de Eisenstein. A morte revolucionária e a intratabilidade fazem do cacto uma estátua sobrevivente.

Biografia do Autor

André Piazera Zacchi, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista CAPES.

Referências

ANDRADE, Mário. Aspectos da Literatura Brasileira. São PauloPaulo: Martins, 1974, p. 27-45.

ARRIGUCCI JR. Davi. O cacto e as ruínas: a poesia entre outras artes. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

BANDEIRA, Manuel. Libertinagem. In: Estrela da Manhã. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p. 06.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Duas Cidades; 34, p. 103 e ss.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. In: Obras escolhidas vol. II. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 222 e ss.

CENDRARS, Blaise. Anthologie Nègre. Paris, Éditions de la Sirène, 1921.

EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002, p. 54.

EINSTEIN, Carl. Negerplastik (escultura negra); organização Liliane Meffre ( Org.).Trad. Fernando Scheibe e, Inês de Araújo. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

EISENSTEI, Sergei. ¡Que viva México!. 1h30, P/B, 1979.

MARKER, Chris; RESNAIS, Alain. Les statues meurent aussi. Produtoras: Présence Africaine; Tadié Cinéma, 30min, P/B, 1953.

LESSING, Gotthold Ephraim. Laocoonte, ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. Introdução, tradução e notas de Márcio Seligmann-Silva, São Paulo: Iluminuras, 1998.

EINSENSTEIN. Sergei. Laocoön. In: EINSENSTEIN. Sergei. Selected Works, Volume II: Towards a Theory ofMontage. Londres, Nova Iorque: I.B. TAURIS, p. 106 e ss.

Downloads

Publicado

2020-05-13