Psicologia: uma concepção histórico-filosófica

Autores

  • Clara Virginia de Queiroz Pinheiro UNIFOR - Fortaleza - CE
  • Ricardo Augusto de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

Michel Foucault, Arqueologia, Finitude humana, Psicologia

Resumo

Este artigo trata da constituição da psicologia ocidental segundo Michel Foucault em As palavras e as coisas. Esse tema é disposto a partir de sua perspectiva arqueológica (histórico-filosófica), que considera a psicologia forma cultural humanista, sendo desdobrado em quatro momentos. O primeiro estabelece os discursos, seculo XVI e inicio do século XVII, de um Deus concreto. O segundo, segunda metade do seculo XVII e final do seculo XVIII, sustenta um ser divino e representacionista. No primeiro e segundo momentos, não é possível psicologia, pois não existe a figura homem no espaço dos discursos. O terceiro denota urn ser discursivo humano, constituido no seculo XIX, possibilitando algumas reflexoes, dentre elas, a psicologia. O ultimo, como considerações finais, organiza o espaco das ciências humanas, também no século XIX, e, em particular, a psicologia. Além disso, demonstra, por meio dos discursos da psicanálise, filosofia de Nietzsche e literatura, o fim do humanismo da Modernidade.

Downloads

Publicado

2005-01-01

Edição

Seção

Artigos