Herbert Marcuse, Paulo Freire e a economia solidária como alternativa emancipatória

Daniel Calbino, Ana Paula Paes de Paula

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2178-4582.2011v45n2p425

O presente artigo visou compreender porque as tentativas de revoluções de caráter socialista “fracassaram”, utilizando como referência as concepções de Marcuse e Freire. Para realizar esta tarefa recorremos principalmente à análise das obras Eros e civilização de Marcuse (1968) e Pedagogia do oprimido de Freire (2006b). Constatamos algumas similaridades nas perspectivas destes autores. Marcuse (1968) recorreu às teorias psicanalíticas de Freud para compreender este fenômeno, e concluiu que a causa é a repressão das pulsões de vida (Eros) que gera indivíduos aptos a aceitarem uma sociedade repressiva e a temerem sua libertação. Freire (2006b), por sua vez, partiu da premissa de que os oprimidos carregam dentro de si o opressor, reproduzindo suas atitudes e comportamentos quando chegam ao poder, pois temem a liberdade de preencher o vazio deixado pela expulsão do opressor. Para sanar estes problemas, Marcuse (1968) pregava a luta pela redução do trabalho alienado, e Freire (2006b) a busca por uma educação dialógica entre o educando e o educador. Depois da exposição e interpretação das leituras dos dois autores, apresentamos a Economia Solidária como um cenário para a implementação das saídas sugeridas por Freire (2006b) e Marcuse (1968), o que a torna uma possível nova via revolucionária.


Palavras-chave


Economia solidária; Revolução; Herbert Marcuse; Paulo Freire

Texto completo:

PDF/A


Direitos autorais 2011 Daniel Calbino, Ana Paula Paes de Paula

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.