Notas etnográficas sobre prostituição masculina em Florianópolis: entre o trabalho, o afeto e a sexualidade

Autores

  • Letícia C. Barreto UFSC
  • Cibele D. da Silveira UFSC
  • Miriam P. Grossi UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2012v46n2p511

Palavras-chave:

Prostituição, Etnografia urbana, Afeto, Sexualidade, Florianópolis

Resumo

Objetivamos compreender como se articulam trabalho, afeto e sexualidade na vida de homens que se prostituem na região central de Florianópolis/SC, utilizando métodos como observação, conversas informais, entrevistas semi-estruturadas e registro em diários de campo. Observamos que existem limites simbólicos entre as categorias,mas esses são reconstruídos e ressignificado sem função da relação estabelecida com clientes, parceiros, parentes e com a prostituição. O trabalho pode ser ocultado de familiares, mas usufruem dos seus rendimentose estão presentes nos espaços, nas entrevistas ou em tatuagens. Relações com clientes podem ser carinhosas, afetuosas e prazerosas enquanto as com parceiros se tornarem mais mecânicas e performáticas. O aprendizado de técnicas no trabalho agrega prazer às relações com parceiros e o carinho pelo cliente pode assegurar a satisfação da clientela. Noções tradicionais sobre relacionamentos afetivos e sexuais são simultaneamente reiteradas, como na dicotomia afetividade/passividade, e questionadas, como em concepções reinventadas sobre a traição.

Biografia do Autor

Letícia C. Barreto, UFSC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, CFH/UFSC

Cibele D. da Silveira, UFSC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas,

Miriam P. Grossi, UFSC

Professora do Departamento de Antropologia, CFH/UFSC.

Downloads

Publicado

2013-03-07

Edição

Seção

Dossiê