Compreensões da Educação Ambiental: possibilidades e desafios do paradigma da complexidade

Autores

  • Filipi Vieira Amorim Universidade Federal do Rio Grande
  • Humberto Calloni Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2013v47n2p272

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Epistemologia, Teoria da Complexidade

Resumo

A contemporaneidade carrega consigo inúmeros desafios impostos ao ser humano. Cada vez mais, questões de ordem social, ambiental, educacional, etc., mostram-se interligadas; e interconectados, os desafios da atualidade emergem. Os seres humanos são convidados a compreender o metabolismo entre sociedade e Natureza, suas partes e seu todo, suas causas e agentes, sua complexidade. Por essas constatações é que propomos a reflexão teórica e epistemológica sobre a Educação Ambiental em suas possibilidades e desafios. Nosso aporte epistêmico é guiado pela Teoria da Complexidade, do pensador francês Edgar Morin (1921-). Esse percurso conceitual transpassa os princípios da ciência clássica e do paradigma dominante. É vislumbrado no paradigma emergente, o paradigma do pensamento complexo, mostrando que existem caminhos que entrelaçam conceito e discurso prático, conhecimentos e saberes, técnica e reflexão, filosofia e ciência.

Biografia do Autor

Filipi Vieira Amorim, Universidade Federal do Rio Grande

Licenciado em Ciências Biológicas; Mestre em Educação; Doutorando em Educação Ambiental (PPGEA-FURG); Bolsista da CAPES.

Humberto Calloni, Universidade Federal do Rio Grande

Filósofo e Pedagogo; Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande.

Downloads

Publicado

2013-10-04

Edição

Seção

Artigos