Mapeamento de ações coletivas de ocupação urbana: uma análise etnofotográfica

Autores

  • Adolfo Pizzinato PUCRS
  • Cristiano Hamann PUCRS
  • Ezequiel Simonetti Cargnelutti PUCRS
  • Roberta Iankilevich Golbert PUCRS
  • Lígia Burton-Ferreira PUCRS
  • Rodrigo Oliveira-Machado Universitat Autònoma de Barcelona.

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2016v50n1p108

Palavras-chave:

ocupação urbana, ações coletivas, movimentos sociais

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de mapear ações de ocupação do espaço público em Porto Alegre, assim como compreender aspectos do funcionamento destas micropolíticas de ação. Para tanto, a investigação guiou-se a partir de três etapas simultâneas: o levantamento de informações através da mídia e redes de relacionamento; a observação de ocupações e o estabelecimento de contato com participantes e a realização de entrevistas, auxiliadas por uma proposta de produção etnofotográfica estabelecida previamente. A partir deste procedimento de coleta de dados, pôde-se estabelecer um panorama de temáticas que figuram em ocupações urbanas; locais e rotas utilizadas; formas de divulgação e organização dos eventos; assim como discutir aspectos vinculados ao público envolvido. As ocupações urbanas etnografadas emergem como possibilidades de dissenso político e ressignificação, muito diversificadas e em sintonia com as novas formas de organização social, onde a internet e a flexibilidade de papéis sociais despontam como tônica das ações.

Biografia do Autor

Adolfo Pizzinato, PUCRS

Doutor em Psicologia da Educação pela Universitat Autònoma de Barcelona Professor da Faculdade de Psicologia, PUCRS. Programa de Pós-Graduação.

Ezequiel Simonetti Cargnelutti, PUCRS

Graduando em Psicologia PUCRS.

Roberta Iankilevich Golbert, PUCRS

Graduanda em Psicologia, PUCRS.

Lígia Burton-Ferreira, PUCRS

Graduanda em Psicologia, PUCRS.

Rodrigo Oliveira-Machado, Universitat Autònoma de Barcelona.

Doutorando em Psicologia Social, Universitat Autònoma de Barcelona.

Referências

AUGÉ, M. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Trad. Maria Lúcia Pereira. Campinas: Papirus, 2011. 112 p.

BANKS, M. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Trad. José Fonseca. Porto Alegre: Artmed, 2009. 176 p.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Trad. Mauro Gama et al. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 272 p.

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005. 110 p.

CARNEIRO, H. S. Rebeliões e ocupações de 2011. In: HARVEY, D. et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. Trad. João Alexandre Peschanski et al. São Paulo: Boitempo, 2012, p.7-14.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede: A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. Trad. Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2012. 698 p.

DIANI, M. The Concept of Social Movement. The Sociological Review, Keele, v. 40, n. 1, p. 1-25, 1992.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Elias Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009. 405 p.

HAMANN, C.; MARACCI-CARDOSO, J. G.; TEDESCO, P.; VISCARDI, F. Movimentos de ocupação urbana: uma integração teórica através do conceito de happening. Diálogo, Canoas, n. 23, p. 19–33, 2013.

HARVEY, D. et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. Trad. João Alexandre Peschanski et al. São Paulo: Boitempo, 2012. 86 p.

HIERNAUX, D. Repensar a cidade: a dimensão ontológica do urbano. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n. 20, p.197-205, 2006.

LEITE, J. F.; DIMENSTEIN, M. La intervención de los movimientos sociales en el área rural brasilera: cartografiando el Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST). In SAFORCADA, E. et al. (Orgs.). Aportes de la Psicología Comunitaria a problemáticas de la actualidad latinoamericana. Buenos Aires: JVE Editores, 2007, p.153-166.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 402 p.

LOPES, G. C. Redes Sociais, Emancipação Política, desobediência civil e mobilização: resgatando o pensamento de Kant e Thoureau. Cadernos de Comunicação, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 215-231, jul./dez. 2013.

MATTELART, A. Diversidad cultural y mundialización. Barcelona: Paidós Comunicación, 2005. 177 p.

MAURENTE, V.; TITTONI, J. Imagens como estratégia metodológica em pesquisa: a fotocomposição e outros caminhos possíveis. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p.33-38, 2007.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. São Paulo: Unesp, 2003. 654 p.

NORA, P. Les lieux de mémoire. Paris: Gallimard, 1997. 1652 p.

PIZZINATO, A. Psicología e imágenes: el proceso de narración digital en la investigación sobre la identidad en la infancia en riesgo de exclusión. Hallazgos, Bogotá, n. 10, p. 55-63, 2008.

RANCIÈRE, J. El espectador emancipado. Buenos Aires: Manantial, 2010. 130 p.

UGLIONE, P.; DUARTE, C. Arquivos Urbanos: Memória e História na Cidade. Quaderns de Psicologia, Barcelona, n. 1, v. 13, p. 91-101, 2011.

VIRILIO, P. O espaço crítico. Trad. Paulo Roberto Pires. São Paulo: Editora 34, 1993. 124 p.

WAISBICH, L. T. Manifestejos de junho: negação e ocupação da coisa pública. Jornal de Psicanálise, São Paulo, v. 46, n. 84, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/jp/v46n84/v46n84a14.pdf . Acesso em: 9 fevereiro 2015.

Downloads

Publicado

2016-07-31

Edição

Seção

Artigos