A perspectiva sociohistórica e a Política Nacional de Assistência Social

Marcela Andrade Gomes, Cleidi Mara dos Santos

Resumo


O presente artigo tem como objetivo debater as possíveis contribuições que a psicologia sociohistórica pode oferecer aos profissionais que atuam sob a lógica da Política Nacional de Assistência Social. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que, por meio da análise dos materiais referentes a esta Política, bem como dos principais conceitos da abordagem sociohistórica, busca problematizar as questões epistemológicas, técnicas e políticas atreladas à prática do profissional da Psicologia inserida neste contexto. A partir das análises realizadas, defendemos que a psicologia sociohistórica é um profícuo instrumental teórico que pode subsidiar uma prática ética e coerente com a PNAS, possibilitando a criação de intervenções mais qualificadas e críticas que venham ao encontro das demandas das camadas subalternizadas da sociedade. Desse modo, buscamos colaborar com a articulação entre os saberes e fazeres que interpelam Assistência Social, de modo a colocar a Psicologia no protagonismo da prevenção e promoção dos direitos humanos. 


Palavras-chave


Política Nacional de Assistência Social; psicologia; direitos humanos

Texto completo:

PDFA

Referências


ANDALO, Carmen. Mediação Grupal: uma leitura histórico-cultural. SP: Agora, 2006.

BOCK. Ana Mêrces Bahia; GONÇALVES, Maria da Graça Marchina; FURTADO, Odair (orgs). Psicologia Sócio-Histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil,1988.

_______, Política Nacional de Assistência Social. Brasília, 2005.

_______, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Concepção de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Brasília, 2013.

CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (CREPOP). Referências técnicas para atuação do/a psicólogo/a no CRAS/SUAS. Brasília: CFP, 2007.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP). Como os psicólogos e as psicólogas podem contribuir para avançar o Sistema Único de Assistência Social (SUAS): informações para gestoras e gestores. Brasília: CFP, 2011.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO (CRP SP). Vale Cidadania: a psicologia e sua interface com a assistência social. São Paulo: CRP SP, 2010.

COSTA, Eliane Fortunato; BRANDAO, Shyrlene Nunes. Abordagem clínica no contexto comunitário: uma perspectiva integradora. Psicologia e Sociedade, vol. 17, n. 2, p. 33-41, 2005.

CAMPOS, Regina Helena.; LANE, Sílvia Tatiana Maurer & SAWAIA, Bader Burihan. Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes, 2000.

CRUZ, Lilian Rodrigues; GUARESCHI, Neusa. O psicólogo e as políticas públicas de assistência social. Petrópolis: Vozes, 2012.

EIDELWEIN, Karen. A Psicologia em Projetos Sociais de Educação e Trabalho. Psicologia & Sociedade. vol. 17, n.3, 2005.

FREITAS, Maria Tereza Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, n.116, p.21-39, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Psicologia Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Marcela de Andrade; SILVA, Camila Oliveira. A interface da Psicologia com a saúde mental: o uso de oficinas estéticas em um hospital psiquiátrico. Revista de Ciências Humanas, vol. 47, n. 2, p.233-253, 2013.

GULA, Patrícia; PINHEIRO, Nadja. Entre o limite e a esperança: relato de uma experiência em Psicologia Institucional. Ciência e Profissão, vol. 27, n.2, p.358-367, 2007.

HINKEL, Jaison; MAHEIRIE, Kátia. Rap – Rimas afetivas da periferia: reflexões na perspectiva sócio-histórica. Psicologia e Sociedade, vol. 19, p. 90-99, 2007

LANE, Sílvia Tatiane Maurer. Avanços da psicologia social na América Latina. In S. T. M. Lane e B. B. Sawaia (Orgs.), Novas Veredas da Psicologia Social (pp. 67-81). São Paulo: Brasiliense /EDUC,1995.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katál, vol. 10, n. especial, p. 37-45, 2007.

MOLON, Suzana. Subjetividade e Construção do sujeito em Vigotski. São Paulo: Educ., 1999.

NEVES, Rosane. Notas para uma genealogia da Psicologia Social. Psicologia & Sociedade, vol. 16, n.2, p.12-19, 2004.

OLIVEIRA, Isabel Maria Farias Fernandes. Desafios da Atuação dos psicólogos nos CREAS do Rio Grande do Norte. Fractal Revista de Psicologia, v.26, n.2, 461-478, 2014.

PADILHA, Anna MariaLunardi. Bianca o ser simbólico: para além dos limites da deficiência mental. São Paulo, 2000. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas.

PINO, Angel. As marcas do humano. Universitária: SP, 2006.

REGO, Tereza Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

REY, Fernando Luíz González. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

RAMOS, Conrado; CARVALHO, Joao Eduardo Cohin. Espaço e subjetividade: formação e intervenção em psicologia social comunitária. Psicologia e Sociedade, vol. 20, n. 2, p. 174-180, 2008.

SALLES, Leila Maria Ferreira. Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos. Estudos de Psicologia, vol. 22 .1 p. 33 – 41, 2005.

SAWAIA, Bader Burihan. (Org.) As artimanhas da exclusão. Petrópolis: Vozes,. 2000.

SAWAIA, Bader Burihan. Dimensão ético-afetiva do adoecer da classe trabalhadora. In: Novas Veredas da Psicologia Social. São Paulo: Vozes, 1999.

SENRA, Carmem MagdaGhetti; GUZZO, Raquel Souza Lobo. Assistência social e psicologia: sobre as tensões e conflitos do psicólogo no cotidiano do serviço público. Psicologia & Sociedade, vol. 24, n.2, p.293-299, 2012

SILVA, Edna Lucia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia de pesquisa e elaboração de dissertação. 4 ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SOUZA, Solange Jobim. Ressignificando a psicologia do desenvolvimento: uma contribuição crítica à pesquisa da infância. In: KRAMER, S; LEITE, Maria Isabel (Orgs.). Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas: Papirus, 1996.

YAMAMOTO, Oswaldo Hajime; OLIVEIRA, Isabel Fernandes de. Política Social e Psicologia: uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 26, p. 09-24, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A educação estética. In: Psicologia pedagógica (pp. 323-363). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. El significado histórico de la crisis da la psicología. Una investigación metodológica. In: Obras Escogidas I (pp. 259-407). Madrid: Visor Distribuiciones, 1991.

VYGOTSKY Lev Semenovitch. Pensamiento y palabra. In: Obras Escogidas II (pp. 287-348). Madrid: Visor Distribuiciones, 1992.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch (2004). Teoría de las emociones. Estúdio histórico-psicológico. Madri: Akal.

ZANELLA, Andrea Vieira. A ideologia alemã: resgatando pressupostos epistemológicos da abordagem histórico cultural. In: Psico, vol. 2, n.1, p.187-194, 1995.

ZANELLA, Andréa Vieira. Atividade, significação e constituição do sujeito: considerações à luz da psicologia históro-cultural. Psicologia em Estudo, vol 9, p.127-135, 2004.

ZANELLA, Andrea Vieira. L. S. Vigotski: o contexto, a obra e o conceito de zona de desenvolvimento proximal. Itajaí: Editora UNIVALI, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p345

Direitos autorais 2017 Marcela Andrade Gomes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.